Startups: brincar de inovar virou negócio. E lucrativo!

Quando se fala em inovação atualmente, a primeira coisa que nos vem à cabeça são as comentadas startups. Segundo a Associação Brasileira de Startups, essas são empresas de bases tecnológicas, com um modelo de negócios repetível e escalável, que possuem elementos de inovação e trabalham em condição de extrema incerteza.

20140909_Startups_2 (1)

Puxado especialmente por jovens empreendedores, esse movimento empresarial que, inicialmente surgiu em tom de curiosidade e brincadeira, começa a ficar sério. Sem medo de arriscar, com poucos recursos e muitas boas ideias na cabeça, esses profissionais estão chegando longe e atraindo os olhares de muitos investidores. No Brasil, existem mais de 10 mil empresas com esse perfil. Só em 2012, elas movimentaram quase R$ 2 bilhões.

Exemplo dessa geração é a pernambucana Eventick, criada em 2012 por quatro jovens empresários, com um investimento inicial de R$ 50 mil. Trata-se de uma plataforma que gerencia inscrições em eventos. A startup, que cobra uma comissão de 8% a 10% do valor do ingresso pelo serviço, ultrapassou a marca de 100 mil inscrições e já intermediou R$ 3 milhões em vendas de ingressos. Atualmente, o empreendimento está sediado em São Paulo, onde está a maioria dos clientes.

E se você achou que o investimento inicial da Eventick foi alto para uma pequena empresa, veja esse outro exemplo. Pensando em tornar os cardápios dos restaurantes acessíveis a clientes de qualquer país, os empresários Matias Tino e Rodolfo Pareci montaram sua primeira startup. Com apenas R$ 2 mil, criaram a Icode Brasil. Com tecnologia simples, o tradutor de cardápio funciona com um QR Code, ou código de resposta rápida, desenhos em forma de quadrado com 999 milhões de possibilidades de combinações.

Um único código leva para um cardápio em diferentes idiomas. Como a tecnologia é de graça, o investimento inicial foi usado para constituir formalmente a empresa e contratar os serviços de tradução. Rodolfo e Matias trabalham no conforto de casa, cobram a partir de mil reais pela instalação do sistema e R$ 99 por mês para manutenção.

Atento ao crescimento desse tipo de negócio, o Sebrae-ES lançou neste ano uma iniciativa inédita com o objetivo de acelerar as startups do estado. O Programa de Aceleração Sebrae Up pretende auxiliar no desenvolvimento e crescimento dessas empresas por meio do Sebraetec em diversas ações, como Lean Startup, Cenário Competitivo, Estratégias de Negócios, Mentorias, Modelos de Negócios e Empretec. O foco maior é preparar os empreendedores e aprimorar seus novos modelos de negócio para que consigam receber investimento externo.

Giselle Coelho,
Projetc Management Consultant

(374Publicações)

Comentários (4)

    1. anakatia

      Olá Antônio! Entendo sua preocupação, mas o objetivo do blog é anunciar o local e o nacional também e, falar das nossas startups será assunto certo aqui. Fique a vontade para sugerir. Obrigada por participar! Conte comigo, Ana Katia Covre

      Responder
  1. Saluciana Marcon

    Vejo as Startups com a cara da juventude cheia de ideias e muita vontade para empreender, acredito que a matéria vem em boa hora para que todos possam se sentir incentivados a criar. Parabéns

    Responder

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>