Justiça compartilha provas de operações com órgãos de controle

 Versão para impressão  

- O juiz Vallisney Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília, autorizou diversas instituições a obterem, por meio de compartilhamento, as provas produzidas nos processos relacionados às operações Sépsis, Cui Bono? e Greenfield - que apuram desvios em fundos de pensão e na Caixa Econômica Federal.

Poderão ter acesso e aproveitar as provas a Polícia Federal, o Tribunal de Contas da União (TCU), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o Banco Central do Brasil (BC), a Caixa Econômica Federal, a Superintendência Nacional de Previdência Complementar, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), a Secretaria da Receita Federal e a Controladoria-Geral da União, que hoje faz parte do Ministério da Transparência.

Na decisão, o juiz Vallisney Oliveira também autorizou que outros órgãos do Ministério Público Federal e da Polícia Federal que venham a demandar o uso das provas compartilhadas obtenham o acesso. Ele disse que houve um requerimento feito pelo Ministério Público Federal neste sentido.

O juiz frisou que parte do conteúdo se encontra em sigilo e que o acesso deve ficar restrito às partes e às instituições que tenham autorização para o uso das provas compartilhadas.

A CVM já tinha aberto processos administrativos para apurar irregularidades cometidas pela J&F e poderá ter mais detalhes a partir de agora.

Operações

Alguns dos alvos destas investigações na primeira instância são políticos que até recentemente tinham grande influência no Legislativo e no Executivo mas que já perderam o foro privilegiado, como o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e o ex-ministro Henrique Eduardo Alves, que estão presos, o ex-ministro Geddel Vieira Lima, que se encontra em prisão domiciliar após ter sido preso preventivamente no início do mês. Além deles, o corretor Lúcio Funaro, apontado como o operador financeiro e lobista do grupo político de Cunha e Geddel em vários setores da administração pública.

A Operação Sépsis apura as irregularidades no Fundo de Investimentos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FI-FGTS), administrado pela Caixa. O principal personagem é Eduardo Cunha, que é réu, acusado de, entre 2011 e 2015, ter sido fundamental para a implantação e funcionamento de um esquema criminoso relacionado à Caixa Econômica Federal e ao FI-FGTS. Com o auxílio de pessoas como Fábio Cleto, então vice-presidente de Loterias da Caixa Econômica Federal, Cunha montou um amplo esquema de cobrança de propina que tinha vários beneficiários. Henrique Eduardo Alves, era um deles.

A Cui Bono? ("A quem interessa?") tem como foco a manipulação de créditos e recursos realizada na Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias e na Vice-Presidência de Pessoa Jurídica, ambas da Caixa Econômica Federal. A Greenfield mira fundos de pensão de funcionários de empresas estatais. São investigadas irregularidades na aplicação de recursos das chamadas Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC) em empresas privadas.

O acordo de leniência firmado entre o Grupo J&F - que controla a JBS - e o Ministério Público Federal foi fechado no contexto destas investigações, especialmente a da Operação Greenfield. O grupo comprometeu-se a pagar R$ 10,3 bilhões no acordo de leniência. O acordo de colaboração premiada de Joesley Batista e de outros executivos da JBS também tem alguma relação com estas três operações, porque Joesley já era um dos investigados.

 Versão para impressão  

MAIS LIDAS

Jornal Folha Vitória
Todos os direitos reservados © 2007-2016