25/9/2010 às 18h28 - Atualizado em 25/9/2010 às 18h28

Djavan faz a primeira apresentação de seu novo CD em São Paulo

R7
Redação Folha Vitória

Foto: Divulgação
Um banquinho, microfone e violão. Sentado, de paletó bege, sapatos de couro preto e gravata listrada, Djavan começa a cantarolar ao microfone. O público acompanha batendo palmas e assoviando. As mulheres gritam “lindo!”.

Ele levanta-se e, estalando os dedos em um ritmo musicado, canta Seduzir. Depois, puxa uma de suas composições mais famosas, Te Devoro. O público vai ao delírio; uma garota de 20 e poucos anos que está na plateia comenta com a amiga que esta é uma de suas músicas preferidas.

É noite de sexta-feira, 24 de setembro. Djavan se apresenta no Credicard Hall, casa de espetáculos na capital paulista. Este é o primeiro show do novo disco, Ária, no qual trabalha apenas como intérprete. O álbum é composto por temas que marcaram a vida e a obra do cantor, como ele mesmo comenta logo depois das primeiras músicas.

- Eu não tinha noção de que seria tão difícil gravar canções de outros autores.

No palco, conversando com o público, Djavan conta que foi complicado selecionar apenas 12 obras.

- Escolher 12 canções é muito difícil; seria mais fácil fazer com 50.

Um de seus fãs concorda, e, do fundo do salão, grita “pois é!”.

O astro segue com Lambada de Serpente, de sua autoria, e com as faixas de seu novo disco: Sabes Mentir (Othon Russo), Oração ao Tempo (Caetano Veloso), Disfarça e Chora (Cartola/Dalmo Castello), Brigas Nunca Mais (Vinícius de Moraes/Tom Jobim), Fly me to the Moon (Bart Howard), La Noche (Montse Cartés) e Palco (Gilberto Gil).

Ao longo do show ele mescla alguns sucessos próprios; é quando o público mais se exalta. No meio do concerto, quando toca Oceano, o coro de vozes fica tão forte que Djavan para de cantar e deixa a banda fazendo a melodia, enquanto as mais de 3.000 pessoas se unem em coro citando os versos.

- Vem me fazer feliz porque eu te amo; você deságua em mim, eu oceano...

O chão do Credicard Hall treme.

As últimas músicas são sucessos absolutos de Djavan. Depois de tocar Flor de Lis ele fica em pé para cantar Linha do Equador, Meu Bem Querer e Sina. A plateia também se levanta, e Djavan passa na beira do palco cantando e apertando as mãos dos fãs. Termina a apresentação com Lilás, depois de cantar mais de 20 músicas em 1h45 de concerto.

Alguns autógrafos

O show terminou à meia-noite, mas cerca de cem fãs permaneceram no recinto. Foram todos à porta do camarim, com os discos recém-comprados na mão, pedindo um autógrafo do ídolo.

Os seguranças deixaram entrar alguns grupos de dez pessoas. Depois de uma hora de espera, as 50 pessoas que esperavam no local foram informadas de que Djavan havia deixado a casa de espetáculos e ido embora. Inconformado, o grupo contestava, dizendo que não é do feitio do cantor não atender pedidos de autógrafos.

A estudante Fernanda Carlone desistiu de esperar. Ela já conheceu Djavan em outro evento, mas queria sua assinatura no novo CD. O mesmo aconteceu com a operadora de telemarketing Cleide Mendes dos Santos. Ela segue a carreira do cantor há 12 anos, e ficou um pouco decepcionada com o final da noite.

- Toda vez eu vou para o camarim, mas desta vez foi feio.

A Rede Vitória faz parte do
4Ps Todos os direitos reservados © 2007-2014