Campeão do MasterChef, Pablo revela lição aprendida no programa: Dê a cara a tapa, que isso pode virar realidade

 Versão para impressão  

-

A final do MasterChef Profissionais não deixou nada a desejar no quesito emoção! Quantos fãs do programa não entraram juntos na cozinha com Pablo ou Francisco, na expectativa de que o prato do seu participante favorito caísse no gosto dos jurados? Se o reality conseguiu proporcionar essa experiência, agora você vê os planos, as impressões e as lições do grande campeão dessa edição do programa.

Pablo revela que mesmo com a conquista, a ideia é seguir trabalhando, embora uma parte do prêmio seja destinada ao lazer dos entes queridos:

- É tudo muito novo para mim. Já ouvi falar que vou ter muito trabalho pela frente, mas quero viajar com a família. Adoro praia e vou tentar ir para o Nordeste. De repente associar um jantarzinho também. Porque eu gosto muito do que eu faço.

Mas será que a experiência televisiva não despertou no mineiro a vontade de continuar aliando os dotes culinários ao universo do entretenimento?

- Cara, não pensei nisso ainda. Mas, se for aqui na Band, dentro do programa, nada contra. Aceitaria sim, explica.

Apesar da vasta experiência, Pablo não começou a disputa tão conceituado quanto Francisco e chegou até a pensar em desistir diante dos primeiros obstáculos:

- O que me segurou foi a minha família e lembrar do objetivo que me fez entrar aqui, o de fazer o meu negócio voltar à estabilidade para conseguir projetar novos sonhos.

Até o fato de já ter trabalhado com Érick Jacquin parecia mexer com os nervos do mineiro, que relembrou com muito bom humor os ensinamentos de um dos jurados mais queridos pelos telespectadores.

- Era bronca e tapa nas costas: Isso está uma m****!, C'est la m****, p*****! (risos). Eu aprendi muita coisa com ele, uma referência na cozinha. Ele como jurado me deixou muito nervoso no começo, mas depois eu vi que eu tinha que relaxar e curtir a onda.

Em diversas enquetes pelas redes, os fãs do reality gastronômico demonstraram o desejo de ver o mineiro como vencedor. Pablo aproveitou a conversa para elencar as características que acredita ter demonstrado para que isso fosse possível.

- Minha humildade, o meu carisma durante as provas, o fato de ser amigo de todo mundo, isso conta muito para o público. Fui autêntico: eu sou o que eu sou e todo mundo que me conhece sabe que eu sou assim, pontuou.

Reconhecido pela humildade, o chef não deixou de destacar os participantes que mais lhe chamaram a atenção durante as gravações.

- O Ravi é um crânio, um gênio. Irina também muito inteligente, junto com a Raíssa. São pessoas que conheci aqui. Já sabia da Monique, que faz um trabalho excepcional. Mas para mim os três são pessoas que cozinham muito, exalta.

E a lição que fica para Pablo depois de toda essa jornada pode inspirar muitas pessoas:

- A gente tem que acreditar muito no que a gente quer. Não ouvir os outros de fora, porque quem sabe onde a nossa barriga dói é só a gente mesmo. Se temos um sonho, um objetivo, vamos em frente. Dê a cara a tapa, que isso pode virar realidade.

 Versão para impressão  

MAIS LIDAS

Jornal Folha Vitória
Todos os direitos reservados © 2007-2016