Renovação do The Gift, 22 anos depois

 Versão para impressão  

- Com a vista para o Mosteiro de Alcobaça, cidade localizada a 92 Km ao norte de Lisboa, em Portugal, almoçavam Nuno Gonçalves e Sónia Tavares, tecladista e vocalista da banda The Gift, e o produtor inglês Brian Eno, cujo currículo invejável inclui David Bowie, U2 e um bom punhado de outros nomes gigantes do rock e do pop. Eno olhava para a construção gótica do século 12, impressionado. Entre mastigadas, virou-se para Nuno. "Sabe", disse o produtor, "ao longo desse tempo todo, venho tentado cortar o lado épico das suas músicas. E, agora que estou a almoçar neste lugar, entendo de onde vem essa característica. Todos os dias da sua vida, você olhou para isso aqui." Eno seguiu: "Então, é natural para você pensar grande. Eu tenho que pedir desculpa".

Ao longo de dois anos e meio, o The Gift esteve na companhia do produtor para longas vivências, em diferentes cidades do mundo - no norte da Espanha, em Alcobaça (cidade natal da banda) e em Londres -, para a criação de Altar, o sexto disco do quarteto português formado também por John Gonçalves (teclado e baixo) e Miguel Ribeiro (bateria).

O disco, mixado por Flood (parceiro e Eno em dezenas de discos e produtor inglês fundamental a partir do período do post punk, nos anos 1980), pode ser considerado o melhor já lançado pelo quarteto português. Porque o Gift sempre gostou de brincar com o som, experimentar, viajar entre a psicodelia e o eletrônico. Com Eno, encontraram alguém com quem dialogavam musicalmente, sem se distanciar do que fizeram no passado.

Segundo Nuno, Altar, é uma celebração. Com letras em inglês e canções extremamente bem trabalhadas, o álbum exala o longo período de gestação. Não há notas fora do lugar, os riffs sobem e descem nos pontos exatos. Os refrãos chegam na medida certa. Nenhuma canção tem menos do que quatro minutos de duração e constroem suas próprias narrativas, de início, meio e fim. Eno não tirou a cor do Gift, mas, sim, direcionou sua palheta um tom por vez.

E o início de uma nova jornada para o Gift. São 22 anos de banda e, nos últimos dois anos, enquanto criavam Altar, a banda também percorria o mundo com a celebração das duas décadas de existência. É como se o que foi feito até ali, lá ficou, no passado. Agora, graças à presença de Eno, a banda ganha ainda mais reconhecimento fora das fronteiras portuguesas.

E os trazem de volta ao Brasil. A banda se apresentou nesta segunda-feira, 4, no Rio de Janeiro, e hoje toca na Casa Natura Musical, em São Paulo. Na quarta, 6, fazem show no ótimo Sesc Ribeirão Preto e, na quinta, têm showcase na SIM São Paulo.

Na manhã desta segunda-feira, 4, ainda afetados pela diferença de fuso horário de duas horas entre Rio de Janeiro e Portugal, Nuno e Sónia, se viam sozinhos no piso térreo do hotel onde estavam hospedados, na capital fluminense. Tomavam café da manhã (ou pequeno almoço, como eles chamam em Portugal ) e falavam sobre a fragilidade da vida, após a morte do amigo Zé Pedro, guitarrista da banda portuguesa Xutos & Pontapés, no último 30 de novembro. "Isso pode acontecer a qualquer momento", diz Gonçalves. "Temos é que aproveitar o fato de estarmos vivos e fazermos aquilo que mais gostamos."

THE GIFT EM SÃO PAULO

Casa Natura Musical.

R. Artur de Azevedo, 2134,

Pinheiros, tel. 4003-6860.

Hoje (3ª), às 21h. R$ 60.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 Versão para impressão  

MAIS LIDAS

Jornal Folha Vitória
Todos os direitos reservados © 2007-2016