Dia das Mães: professora supera obstáculos, atinge metas e ainda corre com o caçula

Cris e pequeno Miguel correm juntos em determinadas situações

“Quando eu corro, me sinto viva”. Esse é o lema da corredora e professora Cristiane Sperandio, de 40 anos. Mãe de Anna Luisa, de 10 anos, e Miguel, de 3 anos e 5 meses, ela é presença certa nas corridas e segue uma rotina disciplinada de treinos.

Tudo começou em 2013, incentivada pelo marido, Joselino. “Ficava esperando Jojô (apelido do marido) nas chegadas das corridas e fui entrando no clima.  Na época, eu pagava academia e não ia. Eu queria emagrecer”, contou.

Mas o começo não foi fácil, como ela mesma diz: “Em uma de minhas primeiras corridas, passei muito mal e meus batimentos cardíacos foram lá em cima. Tive que caminhar todo o percurso. Fui ao cardiologista e ele orientou para eu, primeiramente, emagracer e depois pensar em correr. Isso me deixou triste, pois via as pessoas correndo e eu não podia. Acabou que isso foi um gatilho para eu intensificar a dieta e perder peso para voltar logo a correr”.

Em busca de suas metas, em 2014, ela entrou na assessoria de corrida O2 Fit, onde treina até hoje. “Meu objetivo era melhorar rendimento e desempenho nas corridas, além de fazer provas mais longas”.

De lá para cá, ela já perdeu mais de 20 quilos e já conseguiu algumas façanhas nas corridas: “Fiz 30km nas 6 horas da prova dos Bombeiros e completei várias meias maratonas. Maratona ainda é um sonho, quem sabe”, disse Cris.

Maternidade

Cris participou da última edição do Desafio Vitória Anchieta

Grávida do caçula, em 2015, Cristiane conta que correu até um dia antes de ele nascer. “Isso ajudou muito no parto natural”, falou.

Para conciliar filhos, casa e corrida, ela conta com ajuda e parceria de Joselino, que também gosta de correr. “Quando um vai correr, o outro fica com as crianças. Quando não tem como, levo o Miguel no carrinho mesmo. Ele adora, curte e entra no clima”.

Ela faz os treinos sempre na parte da manhã, já que à noite leciona disciplinas técnicas na área de portos no campus do Ifes em Cariacica.

Cris ainda destaca o que a corrida representa em sua vida: “A corrida é uma válcula de escape. Sou um pouco ansiosa e a corrida me deixa mais relaxada. É uma oportunidade de vencer desafios. A corrida mostra que somos capazes de conquistar algo difícil e atingir metas”.

Para as mamães que querem iniciar os treinos de corrida, ela dá um incentivo: “Tem como até levar o filho junto para correr. Basta ter disposição. As crianças acabam gostando e são incentivadas a levar uma vida saudável”.

O blog Corrida de Rua parabeniza a mamãe Cristiane Sperandio e já adianta que a homenagem do Dia das Mães vai até o final de semana. Acompanhe. 

Matheus Thebaldi

(27Publicações)

Acompanhava as pessoas nas corridas e ficava impressionado com tamanho fôlego e com tanta disposição até a chegada. Mal corria na esteira. Foi quando fiz uma prova para concurso em 2009 e a mesma exigia o famoso TAF, tendo que correr 2,4km em 12 minutos. Comecei a treinar e não parei mais. Não passei na prova, mas me tornei um viciado em corrida de rua, tendo já feito, inclusive, três maratonas.