História da gravura no Brasil é tema de exposição na Pinacoteca de São Paulo

A Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, com patrocínio da Companhia Paulista de Parcerias – CPP e do Banco BM&FBOVESPA, apresenta de março a junho deste ano “Imagens para uma nação”, exposição sobre a história da gravura no Brasil que pretende resgatar o período de introdução e desenvolvimento das técnicas gráficas no país, apontando seus usos e seus desdobramentos ao longo do século XIX, além de estabelecer um diálogo com a mostra de longa duração “Arte no Brasil: uma história na Pinacoteca de São Paulo”, que exibe parte do acervo permanente do museu.
0c6915e760657baaf23b462c567a6a27
As pesquisadoras Francis Melvin Lee e Marianne Farah Arnone assinam a curadoria, com coordenação de Valeria Piccoli, curadora chefe da Pinacoteca. Serão cerca de 100 obras distribuídas nas salas A e B, que ficam no segundo andar do edifício da Luz. A Pinacoteca prevê para abril a publicação de um catálogo em português com aproximadamente 100 páginas com textos e imagens das obras. Em uma das salas da exposição estarão expostas as primeiras iniciativas de gravura do período colonial, a implantação oficial da imprensa em 1808, a produção dos primeiros gravadores luso-brasileiros (e após 1816, também franceses) e algumas das técnicas gráficas desenvolvidas no Império. “Neste período a imagem gravada destaca-se mais por sua função utilitária que por suas intenções artísticas. Com o fim da censura prévia, em 1821, ocorre a valorização dos aspectos artísticos das estampas e dos gravadores, permitindo que a gravura deixasse de ser prioritariamente um objeto a serviço do Estado e se aproximasse cada vez mais das Belas Artes, tornando-se um privilegiado instrumento de cultura”, explica a curadora Francis Melvin Lee. 7e0ece01b05e0ca806fdfbd72072c9b5A segunda parte da exposição será composta por obras que vão explorar a produção gráfica realizada na segunda metade do século. “Nesse período, a gravura foi encarada como um ramo da indústria e, portanto, distante do universo das Belas Artes. Ainda assim, observa-se um crescimento de publicações ilustradas e estampas que reproduziam obras de artes, sobretudo de artistas consagrados. Destaque também para a Academia Imperial de Belas Artes do Rio de Janeiro, principal instituição de ensino artístico do período que utilizava a gravura como um dos principais instrumentos para a formação dos alunos”, completa a curadora Marianne Farah Arnone. “Imagens para uma nação” permanece em cartaz até 05 de junho de 2017, no segundo andar da Pinacoteca – Praça da Luz, 2. A visitação é aberta de quarta a segunda-feira, das 10h00 às 17h30 – com permanência até às 18h00 – e o ingresso custa R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia). Crianças com menos de 10 e adultos com mais de 60 anos não pagam. Aos sábados a entrada é gratuita para todos os visitantes. A Pinacoteca de São Paulo fica em frente à estação Luz do Metrô e da CPTM e também possui estacionamento gratuito.  pinacoteca.org.br – (11) 3324-1000
Anne Carpe

(193Publicações)

No comando do Art et Décor, programa pioneiro nos segmentos de arquitetura e decoração, Anne Carpe é jornalista, mas antes de tudo, se aventurou no curso de design de interiores para desbravar o mundo da criação. Atenta as tendências, notícias e a tudo que se refere ao novo, ela conseguiu somar o jornalismo e a paixão pelo design em um espaço de comunicação. Faz parte do time da TV Vitória/Rede Record desde o inicio de 2013. Trabalhou como repórter dentro dos jornais da programação, participou da produção e execução de importantes séries e hoje atua como editora-chefe e apresentadora do programa Art et Décor.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>