Marcas fortes, por Fredy Calatrone Pessin

Fredy Calatrone Pessin é Presidente do Sinapro/ES

Toda instituição, com exceção das que compõem o terceiro setor, tem por finalidade o lucro. Portanto é evidente que em todas as ações executadas por ela exista uma busca contínua por ROI, retorno sobre investimento, que em alguns casos não necessariamente significa dinheiro em caixa, mas ganhos em posicionamento e reputação, principalmente quando falamos em projetos de comunicação e marketing.

Devido à alta competitividade que se desenvolve principalmente em épocas de crise, é natural que nas ações de marketing realizadas exista uma busca direta por lucro, como nas promoções que evidenciam preços de produtos e serviços. Mas vale ressaltar que, por meio de um trabalho de branding aliado ao promocional, marcas fortes geram valor, se diferenciam, fidelizam e atingem um posicionamento, proporcionando mais performance em suas promoções, como apontam vários estudos de especialistas em branding.

A disputa pela atenção do consumidor está cada vez mais acirrada, com inúmeros canais de comunicação e diversas marcas no trade tentando persuadi-lo. Portanto uma das formas mais eficazes de influenciá-lo é ter um bom conhecimento do seu comportamento para mapear sua jornada de consumo para converter os leads em vendas, tendo sempre em mente que, para alcançar bons resultados, não dá para pensar separado, é preciso integrar toda a empresa em prol de uma entrega de produtos ou serviços que seja satisfatória para o cliente.

Para se obter bons resultados, um dos caminhos é tratar a marca como pessoa, pois entendemos que boas impressões são construídas por meio das interações positivas entre a marca e seus consumidores, já que a maioria delas tem qualidade, design e, muitas vezes, tradição. O que fará a grande diferença na escolha do consumidor é o fator emocional que foi construído no decorrer do tempo por meio das experiências geradas. Vale ressaltar que o consumo é emocional, e o consumidor usa atributos racionais para justificar sua decisão.

Observando a demasiada concorrência, a complexidade dos canais e as variáveis do mercado, como nossas marcas podem contribuir para proporcionar felicidade e qualidade de vida aos seus clientes partindo do princípio que uma marca é formada por pessoas que estão em busca de sua satisfação e de seus clientes? Vamos simplificar?

Artigo original publicado na revista Marcas Ícones 2018. Acesse!

(124Publicações)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão marcados com *