30/11/2010 às 9h48 - Atualizado em 30/11/2010 às 13h42

7º dia de greve é de longa espera e ônibus lotados na Grande Vitória

Folha Vitória
Redação Folha Vitória

Foto: Reprodução TV Vitória
Terminal lotado. Filas, longas filas, que testavam a paciência dos passageiros logo cedo. Assim começou o sétimo dia de greve dos rodoviários por toda Grande Vitória.

No Terminal de São Torquato, a espera pelos coletivos durava mais de uma hora e os pontos de parada dos ônibus estavam completamente vazios. Eram poucos ônibus para a quantidade de passageiros que esperava. Muitas pessoas estão madrugando nos terminais para chegar ao trabalho e ainda assim chegam atrasadas.

"Tem que sair todo dia cedo de casa e encontrar essa situação em Vila Velha. É complicado. Um transtorno. Estou atrasado de novo e o patrão já me ligou", afirma o pedreiro Romildo Cardoso dos Santos.
 
O pedreiro Vivaldo Francisco Barbosa também vem sendo prejudicado pela greve. O trajeto casa-trabalho está durando até três horas e ele tem medo de perder o emprego. "Essa greve está atrapalhando em tudo. Toda hora o patrão está ligando e a gente não pode fazer nada".

Quando o ônibus chega ao ponto nem todo mundo consegue embarcar. Os coletivos ficam superlotados e muita gente acaba não conseguindo entrar e tem que aguardar a próxima viagem.

Foto: Reprodução TV Vitória
Dissídio

Depois de um pedido da procuradoria-geral do Governo do Estado, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT-ES) decidiu antecipar o julgamento do dissídio coletivo da greve dos rodoviários para esta terça-feira (30), às 14 horas. Segundo a assessoria de imprensa do TRT, depois da decisão, se os motoristas e cobradores dos ônibus municipais e do Sistema Transcol mantiverem a paralisação, ela será ilegal.

Segundo o presidente do sindicato da categoria, Edson Bastos, os rodoviários deverão acatar o julgamento e finalizar a greve. "Uma decisão judicial deve ser cumprida e não questionada. Temos que ser coerentes e vamos passar isso aos rodoviários. Não acredito que eles decidam manter a paralisação mesmo depois do julgamento", explicou.

A decisão de solicitar a antecipação do dissídio aconteceu por conta dos problemas ocorridos na última sexta-feira (26) no terminal de Campo Grande, em Cariacica. A população se revoltou com a demora dos ônibus por conta da greve e queimou quatro ônibus e apedrejou 20 coletivos. Os manifestantes ainda fecharam a BR 262 e muitos passageiros ficaram a pé.

Segundo o procurador-geral do Estado, Rodrigo Rabello, não há motivos para que a greve continue porque o dissídio já tem data marcada. Durante a greve de ônibus, pelo menos 300 mil passageiros estão sendo prejudicados na Grande Vitória.
No último dia 22, a Justiça determinou que os motoristas e cobradores devem manter 50% da frota em circulação, sob pena de multa de R$ 20 mil por dia. Segundo o TRT, até o momento, os grevistas estão cumprindo essa exigência.

O Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória (GVBus) e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Espírito Santo (Setpes) comentam que a paralisação é desnecessária levando em conta que a decisão sobre o reajuste dos rodoviários se dará só com o julgamento do dissídio.

Reivindicações

Os rodoviários reivindicam reajuste salarial de 30%, plano de saúde integral, reajuste de R$ 4 no ticket alimentação, além de equiparar o salário de fiscal com o de motorista.

O Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória (GVBus) e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Espírito Santo (Setpes) informaram que ofereceram aos rodoviários um reajuste de 5,39%, referente ao INPC acumulado entre novembro de 2009 e outubro de 2010, a ser aplicado sobre salário, plano de saúde, seguro de vida e ticket refeição.

A Rede Vitória faz parte do
4Ps Todos os direitos reservados © 2007-2014