29/6/2011 às 16h27 - Atualizado em 29/6/2011 às 16h27

Pinguins chegam ao litoral capixaba e recebem ajuda de voluntários para recuperação

Redação Folha Vitória
Redação Folha Vitória

Foto: Divulgação
Todos os anos o litoral capixaba recebe uma visita no mínimo diferente. Os pinguins começam a aparecer no começo do mês de julho, quase sempre muito debilitados e precisam de cuidados. Segundo informações do Instituto de Pesquisa e Reabilitação do Animais Marinhos (Ipram), que fica na Praia da Costa, em Vila Velha, em 2011 as aves chegaram mais cedo. O local já recebeu, até o momento, sete animais e o primeiro foi encontrado no dia 18 de junho.

A bióloga Renata Bhering revela que, ao contrário do que muitas pessoas pensam, eles não devem ser colocados no gelo. "Eles chegam bem debilitados, magros, desidratados, com a temperatura do corpo abaixo do normal. Eles precisam ser aquecidos e como é pinguim as pessoas ligam à imagem de uma geladeira e colocam eles no gelo. Isso acaba matando eles. Quando eles chegam sentem muito frio e precisam ser aquecidos", disse.

Além disso, a bióloga esclareceu como as pessoas que encontrarem um pinguim na praia devem proceder, além de aquecê-lo. "Se o pinguim estiver ainda na água deixa ele quieto, porque às vezes ele só veio para a beirada da areia para descansar e vai voltar. Se ele estiver na areia a pessoa pode pegar ele e colocar em uma caixa de papelão. Depois deve ligar parao  Ibama ou o Ipram e a gente vai ver uma forma de trazer para cá, porque é a parte mais dfícil. Não alimentar, dar soro e simplesmente deixar em uma caixa de papelão é o que deve ser feito", revelou Renata.

Os pesquisadores ainda não conseguiram comprovar cientificamente os motivos que trazem os pinguins para o litoral do Espírito Santo. Eles podem ser vários, mas ainda não se sabe o mais correto. Asmudanças climáticas, a falta de alimento, a falta de peixe no litoral argentino, que é a região onde os animais vivem, são algumas das principais causas que norteiam os estudos.

Renata Bheringer também acredita que a ação do homem no mar pode influenciar na migração dos pinguins. "A ação do homem também influencia, principalmente na região da argentina, onde há muita pesca e  vazamento de óleo. Isso acaba interferindo na vida desses animais, na alimentação. Isso não é uma coisa totalmente comprovada, porque são vários fatores que interferem em conjunto", afirmou.

O Ipram pe formado por voluntários que recebem o apoio da Prefeitura de Vila Velha, Prefeitura de Anchieta, a empresa Chamon empreendimentos, que cede o espaço onde funciona o instituto, Ibama, e as ongs Voz da Natureza e Injapa.

Telefones úteis:

Ibama - 3089-1150

Ipram - 9865-6975

A Rede Vitória faz parte do
4Ps Todos os direitos reservados © 2007-2014