8/10/2013 às 10h28 - Atualizado em 8/10/2013 às 10h54

A hora de cortar o cabelinho do bebê

Fabrícia Kirmse
Redação Folha Vitória

DivulgaçãoO cabelinho do bebê está muito grande, desajeitado ou com falhas? Pode estar na hora de levá-lo ao salão para o primeiro corte. Não existe a idade ideal para cortar as madeixas dos pequenos. Na verdade, a mamãe vai perceber o momento certo quando notar que os fios estão ficando sem jeito.

"Não existe a idade ideal. Há mães que trazem antes mesmo do bebê fazer um ano, outras que preferem esperar um pouco mais. Se ficar na dúvida, é sempre bom conversar com um profissional especializado em corte de crianças", diz a cabeleireira e sócia-proprietária do Salão da Turminha, em Vila Velha, Mariana Gomes Frizzera. Ela montou o espaço junto com a irmã, a também cabeleireira Paula Gomes Frizzera Vargas. O salão é todo preparado para receber os pequenos, com decoração infantil e brinquedos para deixar a garotada bem à vontade.

Mariana explica que, na hora de cortar o cabelo dos pequeninos, é importante que o profissional passe confiança e ganhe a simpatia da criança. "Também é bom descontrair, brincar com a criança, conversar com ela olhando sempre nos olhos. O ambiente também deve ser agradável, lúdico, para que ela se sinta à vontade. Com os bebês menores, é bom usar brinquedos coloridos para distrair, com sons e movimento, ou mesmo colocar um DVD infantil que prenda a atenção".

É bom saber que alguns bebês, nas primeiras vezes, vão chorar bastante, se sentir incomodados na hora do corte, mas isso é muito natural, como conta a cabeleireira. "Há crianças que se adaptam rapidamente, mas outras podem demorar um pouco mais. Isso é muito comum. Mas a mãe não deve desistir e o profissional tem de ser calmo e passar segurança".

DivulgaçãoUma dica da profissional para as mamães, é estabelecer uma rotina para o corte de cabelo. De tempo em tempo, deve levar a criança ao salão (de preferência, quando achar um profissional que agrade, cortar sempre com o mesmo); é bom também sempre conversar com a criança antes de ir, explicar que vai cortar o cabelo, que não dói, sempre tranquilizando o pequeno (e isso vale mesmo para os menorzinhos). "Quando a criança chora, tanto o cabeleireiro quanto os pais devem persistir no corte, não interromper, mas sempre com carinho e paciência", ressalta Mariana.

Muitas vezes, os meninos se incomodam mais do que as meninas, porque o corte masculino é mais trabalhoso, tem de passar a máquina de acabamento, e eles, em alguns casos, sentem medo. "A gente chama a máquina de carrinho, para tornar o corte mais divertido e não assustar a criança. Tudo tem de ser com muito jeitinho".

Quando a criança tem medo, a profissional afirma que é bom também evitar a palavra corte, que pode ser associada a dor. "A gente fala que vai pentear, fazer carinho, ajeitar o cabelinho", conta a cabeleireira.

Uma boa notícia: embora algumas chorem, a maioria das crianças até 1 ano nem percebe que o cabelo está sendo cortado, e fica bem tranquila. É depois dessa idade que a hora de cortar pode ser mais complicada. "Porque, depois de 1 aninho, a criança está mais consciente do que acontece, pode querer sair da cadeira, se mexer, mas com jeito e tranquilidade, a gente sempre acaba conseguindo cortar, sem maiores problemas", garante.

Dicas para que a hora do corte seja mais tranquila

1 - Converse sempre com a criança antes de ir ao salão, mesmo que seja ainda bebê. Explique, ludicamente, como é feito o corte, incentive-a dizendo que vai ficar mais bonita e que não dói. Se a criança tiver muito medo, não use a palavra cortar, mas pentear, ajeitar ou cuidar do cabelinho.

2 - É sempre bom chegar ao salão um pouco antes da hora do corte, deixar a criança se ambientar, brincar um pouco, conhecer o profissional, para que fique mais relaxada na hora de cortar.

3 - O melhor é sempre levar seu pequeno em salões feitos para ele, com brinquedos e decoração infantil. Quando achar um que goste, tente levar sempre no mesmo e, de preferência, corte com o mesmo profissional, para que o pequeno se sinta mais seguro.

4 - Se a criança chorar na hora de cortar, não interrompa o corte. Tanto o profissional quanto os pais devem persistir, com carinho e paciência.

5 - Não demore muito tempo para retornar ao salão. Crie uma rotina frequente de corte, para que a criança se acostume e entenda que o corte de cabelo vai fazer parte do seu dia a dia.

6 - Se os primeiros cortes forem muito difíceis e a criança chorar demais, peça ao cabeleireiro para fazê-lo da maneira que seu filho se sentir melhor, seja em seu colo ou em meio aos brinquedos.

7 - Depois do corte, lembre-se sempre de trocar a roupa de seu filho, para evitar que os fios cortados irritem sua pele.

8 - Elogie o resultado e ressalte como cortar o cabelo foi tranquilo, rápido, indolor e divertido.

Serviço
Salão da Turminha

Avenida Hugo Musso, Itapoã, Vila Velha
Tel: 3534 3530

A Rede Vitória faz parte do
4Ps Todos os direitos reservados © 2007-2014