| 11/10/2011 às 19h42 - Atualizado em 12/10/2011 às 19h9

Homem acusado de chefiar a máfia do carvão no Norte do ES é preso durante operação da polícia

TV Vitória
Redação Folha Vitória

Foto: Reprodução TV Vitória
O Núcleo de Repressão das Organizações Criminosas (Nuroc) anunciou, na tarde desta terça-feira (11), a prisão do homem acusado de ser o chefe da máfia do carvão no Norte do Espírito Santo. Paulo José Gava, de 56 anos, é conhecido como o barão do carvão. Ele foi encaminhado para o Centro de Detenção Provisória de Viana e preferiu não se pronunciar.
 
Leia Mais:

* Reportagem especial "Máfia do Carvão", da TV Vitória, ganha repercussão nacional e é exibida no Hoje em Dia
* Quadrilha é presa por roubo de madeira para produção ilegal de carvão no norte do ES
* Siderúrgicas que usavam carvão do Espírito Santo são embargadas após denúncia de máfia
* Máfia do Carvão: Ministério Público do Trabalho vai investigar caso de exploração de trabalho infantil no ES
* Máfia do Carvão: Crack já virou moeda de troca nos três mil fornos clandestinos no ES, MG e BA
* Máfia do Carvão: Delegado diz que exploradores de trabalho infantil no ES podem parar na cadeia
* Funcionário do alto escalão de industria siderúrgica é acusado de 1.069 crimes após operação no ES
* Polícia prende 16 pessoas suspeitas de participação na "Máfia do Carvão" no Estado

Ao lado de Adalton Figueiredo de Melo e Sergio Antonio Ferreira, Paulo José Gava era responsável por empresas laranjas que compravam carvão e revendiam para siderúrgicas. A madeira era furtada na Região Norte do Espírito Santo e Sul da Bahia. Logo após era levada para pequenas carvoarias.
 
Por meio de contatos o material era fornecido clandestinamente, principalmente para a empresa de Paulo José Gava. Além disso, eram emitidas notas fiscais frias em nome das empresas laranjas e, desta forma, eram acumulados créditos tributários. "A partir daí, você consegue comprar carro a baixo custo e se beneficia do crédito tributário que deveria ter sido pago pelas empresas laranjas. A pessoa que está na outra ponta se credita desse imposto e pode utilizá-lo em suas transações futuras ou mesmo pedir a restituição desse valor", comentou o delegado Jordano Leite.  

A máfia do carvão no Norte capixaba e Sul da Bahia foi denunciada pela TV Vitória com exclusividade. A matéria mostrou como funcionava uma das maiores organizações criminosas do Estado, abordando exploração infantil, trabalho escravo, trafico de drogas em um universo quase infinito de crimes. Só em sonegação fiscal a polícia calcula que em dez anos o prejuízo aos cofres públicos federal e estadual pode superar R$ 1 bilhão.
 
A operação, intitulada Ouro Negro, identificou ao todo 5.824 crimes cometidos pela máfia do carvão. Entre eles, formação de quadrilha, crime ambiental, lavagem de dinheiro, homicídios, entre outros. Com tantos delitos a polícia ainda não em como calcular uma pena para os suspeitos. Seis policiais civis da Bahia também podem estar envolvidos no esquema. "Infelizmente existem indícios claros da conivência de servidores policiais nesse esquema", completou o delegado. 
 
A operação continua em andamento. Ao todo 357 pessoas foram presas em dez meses de trabalho. O proximo passo será a suspensão das atividades das siderúrgicas de carvão do Norte do Espirito Santo e Sul da Bahia.

A Rede Vitória faz parte do
4Ps Todos os direitos reservados © 2007-2014