Movimento que paralisou a PM chegou ao 13º com um saldo de 158 pessoas mortas

Apesar do número de manifestantes ser pequeno em frente ao Quartel do Comando Geral (QCG) em Maruípe, no local não há cabos ou soldados e acontece apenas expediente interno

 Versão para impressão  
Pouco mais de 2.400 militares atenderam à última  chamada operacional do comando
Pouco mais de 2.400 militares atenderam à última chamada operacional do comando
Foto: TV Vitória

O movimento realizado por mulheres de policiais militares no Espírito Santo chegou ao 13º dia nesta quinta-feira (16). Neste período, 158 pessoas foram assassinadas no Estado. Mesmo com a decisão judicial para que deixem os locais, os batalhões continuam interditados. Contudo, o número de policiais nas ruas aumentou.

Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), pouco mais de 2.400 militares atenderam à última chamada operacional do comando, o número ainda é pequeno diante do efetivo de cerca de 10 mil homens em todo o Espírito Santo. De acordo com a Sesp, 240 carros da Polícia Militar estão fazendo o patrulhamento ostensivo. 

Para ocupar o vácuo deixado pela Polícia Militar, mais de 3.400 homens das Forças Armadas estão em força-tarefa no Espírito Santo. São 482 da Marinha, 2.510 do Exército Brasileiro, 163 da Aeronáutica  e 299  militares da Força Nacional . Esses últimos ficam no Estado até o dia 5 de março. 

TAGs

  • assassinatos
  • Espírito Santo
  • greve
  • manifestsação
  • militares
  • mulheres de militares
  • Polícia Militar
  • qcg
 Versão para impressão  

MAIS LIDAS

Jornal Folha Vitória
Todos os direitos reservados © 2007-2016