Expedição Ranger chega ao Centro-Oeste na viagem rumo ao Extremo Norte do Brasil

RangerExpedition_Bonito-Campo_Grande_2A Expedição Ranger, viagem de 12.000 km entre os extremos do Brasil feita com quatro picapes Nova Ford Ranger, completou um terço do percurso com histórias e imagens fascinantes, que podem ser conferidas no hotsite exclusivo e na página do Facebook.
 
O grupo partiu de Chuí, no Rio Grande do Sul, com destino ao Monte Caburaí, em Roraima, extremo norte do País, produzindo vídeos, fotos e entrevistas pelo caminho. A expedição já rodou 4.550 km e passou por nove cidades no trecho Sul-Sudeste, antes de iniciar a etapa seguinte da viagem no Centro-Oeste.
 
Os apresentadores Richard Rasmussen e Nathali Oliani e o paraquedista Sabiá estão entre os 18 participantes da equipe, que viaja com quatro picapes Nova Ranger 3.2 Diesel, das versões Limited e XLT 4×4, para mostrar a capacidade da picape de enfrentar qualquer tipo de aventura.
 
Com motor 3.2 Diesel de cinco cilindros e 200 cv, a Nova Ranger tem 6 airbags, freios ABS, câmera traseira, sensor de ré, GPS, ar-condicionado digital de dupla zona, sensor de chuva, acendimento automático dos faróis e retrovisores com rebatimento elétrico.
 
 
O ponto de partida da viagem foi o Arroio do Chuí, onde um muro imenso de concreto divide a praia ao meio – de um lado Brasil, do outro o Uruguai. Pela BR-116, ela seguiu para a Reserva do Taim, cercada por grandes planícies alagadas, capivaras e muitas espécies de pássaros.
 
Entre as curiosidades, a passagem pela praia do Cassino, considerada a mais longa do mundo, com 254 km de extensão, e o encontro com “Seu” Ramón, um “doble chapa” – como são chamadas as pessoas da fronteira com dupla nacionalidade.
 
Ao comentar sobre as dificuldades que terão pelo caminho todos se animam, ansiosos para testar os limites da Ranger. E os primeiros trechos de areia, barro e buracos não tardaram a aparecer. Ao rodar sobre pedras, buracos e areia escorregadia, o controle eletrônico de estabilidade da Ranger mostrou sua utilidade.
 
Ao entrar muito rápido numa curva, o sistema “percebe” que há algo de errado e que a curva não está sendo feita de forma correta. Automaticamente, ajusta a aceleração, freia as rodas individualmente e corrige a trajetória. Atravessar um rio cheio de pedras foi outro teste da Nova Ranger, após 27 km de estrada de terra em Passo da Ilha.
 
Parati, no Rio de Janeiro, a Estrada Real, antiga rota do ouro do Brasil colônia, e a cachoeira Boca da Onça, com 156 metros de altura, em Bonito, no Mato Grosso do Sul, foram outros pontos da viagem. Confira os relatos completos no site e no Facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *