• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Balança tem déficit de US$ 479 milhões na 3ª semana de janeiro

Economia

Balança tem déficit de US$ 479 milhões na 3ª semana de janeiro

Brasília - A balança comercial brasileira registrou déficit de US$ 479 milhões na terceira semana de janeiro, elevando o saldo negativo no mês para US$ 1,462 bilhão. As exportações somaram US$ 3,661 bilhões na semana passada e as importações, US$ 4,140 bilhões. No acumulado de janeiro, as vendas externas registraram US$ 7,515 bilhões e as importações, U$S 8,977 bilhões.

Segundo os dados do ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), a média diária das exportações foi de US$ 683,2 milhões até a terceira semana desse mês, uma queda de 6,2% em relação à média diária de janeiro de 2014 (US$ 728,5 milhões).

Houve redução dos embarques nos produtos de manufaturados de 23,3%, por conta de aviões, automóveis de passageiros, laminados planos de ferro ou aço, óleos combustíveis, motores e geradores elétricos, hidrocarbonetos e derivados, papel e cartão para escrita e impressão, tubos de ferro fundido, autopeças e motores para veículos e partes. Por outro lado, aumentaram as exportações de semimanufaturados em 8,5%, pelos acréscimos de óleo de dendê em bruto, ferro fundido, borracha sintética e artificial, ferro-ligas, açúcar em bruto e madeira serrada. As vendas externas de básicos subiram 4,0%, puxadas, principalmente, por petróleo em bruto, trigo em grãos, caulim e outras argilas, soja em grão, café em grão, algodão em bruto, fumo em folhas, arroz em grãos e pimenta em grão.

Nas importações, a média diária até a terceira semana de janeiro de 2015 foi US$ 816,1 milhões, 10,6% abaixo da média de janeiro de 2014 (US$ 913,4 milhões). A retração ocorreu, sobretudo, em combustíveis e lubrificantes (-36,5%), cereais (-30,4%), veículos automóveis e partes (-20,9%), equipamentos mecânicos (-17,8%), borracha e obras (-14,8%) e equipamentos elétricos e eletrônicos (-12,7%).