• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Aposta de Barbosa na volta do crescimento no 4º trimestre divide economistas

  • COMPARTILHE
Economia

Aposta de Barbosa na volta do crescimento no 4º trimestre divide economistas

São Paulo - O retorno ao crescimento econômico no último trimestre deste ano, como acredita o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, divide opiniões de economistas. Os mais céticos avaliam que isso é improvável porque o consumo das famílias e os investimentos continuarão em queda em 2016 com agravamento da recessão, que deve levar o PIB a uma queda de 3% neste ano. Por outro lado, vários especialistas acreditam no início de uma gradual recuperação da atividade no período entre outubro e dezembro, na margem. Para eles, isso ocorrerá por fatores como o fim de incertezas em relação ao impeachment da presidente Dilma Rousseff e a depreciação do câmbio, que pode ajudar ainda mais na substituição de importados por produtos nacionais.

Para os economistas céticos, a deterioração da demanda agregada deve diminuir ainda mais o consumo e o investimento e impedirá crescimento em qualquer dos trimestres deste ano. Esse quadro deve também elevar o desemprego para uma marca superior a 11% até dezembro. Silvia Matos, economista do Ibre-FGV, estima uma queda de 3% do PIB neste ano e que haverá destruição líquida de 2,2 milhões de empregos formais. "O cenário muito negativo para a atividade levará a uma alta expressiva do desemprego em todos os setores produtivos, inclusive em Serviços", comentou. Ela projeta que a taxa de desocupação medida pela Pnad Contínua deverá alcançar 12,3% no quarto trimestre e a média do ano será de 11,7%.

As incertezas políticas e especialmente econômicas, que colaboraram para o Brasil perder o grau de investimento perante as agências Standard & Poor´s e Fitch no ano passado, provocaram um aumento significativo dos juros para financiamentos das empresas. Neste contexto, Rodrigo Melo, economista-chefe do Icatu Vanguarda, prevê que a Formação Bruta de Capital Fixo deverá regredir perto de 13% neste ano e será determinante para uma queda de 4% do PIB em 2016. Ele estima que o crescimento trimestral só virá entre janeiro e março de 2017, com expansão de 0,3%, na margem.

Vários economistas apontam que o PIB entre janeiro e junho será pressionado negativamente pelas dúvidas sobre a governabilidade do País, causadas principalmente pela possibilidade de impeachment da presidente Dilma. Contudo, alguns ponderam que na segunda metade do ano o nível de atividade pode parar de cair e engatar ligeiro avanço entre outubro e dezembro. Alessandra Ribeiro, economista e sócia da consultoria Tendências, estima que a economia cairá 0,1% de julho a setembro, mas deverá subir 0,1% no último trimestre do ano.

Ela pondera, contudo, que há riscos de piora para o PIB e a inflação ao final do ano, "relacionados à gestão macroeconômica". A economista destaca que o IPCA deve atingir 9% nos 12 meses encerrados em março e voltar para nível abaixo de 8% a partir de outubro e fechar o ano em 7%. Na sua avaliação, a melhora da administração das contas públicas, com corte de gastos correntes, é o elemento mais importante para melhorar as expectativas dos agentes econômicos sobre a área fiscal e a inflação, o que ajudaria muito a reduzir juros futuros e conter depreciações intensas do câmbio.

"Mas o governo sinaliza que retomará a política de estímulo ao crédito pelos bancos públicos, o que não será eficiente e terá impactos no Tesouro", apontou. Para ela, grande parte dos consumidores não toma financiamentos devido às perspectivas negativas da economia, que também devem prejudicar a arrecadação da União em 2016. Na sua avaliação, a meta de superávit primário de 0,5% do PIB neste ano não será cumprida. A sua previsão é de déficit de 0,8% para o indicador.

Os especialistas que apostam em recuperação do PIB a partir do último trimestre acreditam que o câmbio será o fator fundamental para isso. Considerando que não ocorra em 2016 uma depreciação tão forte quanto em 2015, que ficou próxima de 50%, "consumidores e empresários avaliarão que a economia ficará mais estável e menos sujeita a pressões de alta inflação", comentou Braulio Borges, economista-chefe da LCA. Ele estima que o dólar deve atingir R$ 4,15 em dezembro, uma variação nominal de 6,27% no ano. "Além disso, as contas externas devem continuar a avançar, sobretudo com a redução das importações, o que estimulará a produção doméstica a ocupar o lugar de mercadorias vindas do exterior."

Juan Jensen, sócio da consultoria 4E, espera alta de 0,2% para o PIB do terceiro trimestre e outros 0,5% de aumento no último trimestre do ano. Ele pondera que o setor externo deve contribuir positivamente com 2 pontos porcentuais para o PIB deste ano, mas não impedirá uma retração da ordem de 3,4% em 2016. Para ele, o saldo comercial deverá subir de US$ 19,68 bilhões em 2015 para US$ 29,5 bilhões neste ano.

"O fim do risco político, se afastada a possibilidade de impeachment da presidente Dilma Rousseff, a realização de concessões de infraestrutura e o início de redução dos juros pelo BC em outubro deverão melhorar os sinais da economia e começar um incremento paulatino da demanda agregada no segundo semestre", destacou.

Jensen acredita ser provável também que na reta final do ano ocorra alguma recuperação do consumo, com destaque para bens duráveis e semiduráveis, uma vez que as compras das famílias pioraram muito desde o ano passado.