• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

FMI diz que Grécia não faz o suficiente para merecer outro pacote de ajuda

Economia

FMI diz que Grécia não faz o suficiente para merecer outro pacote de ajuda

Washington - O Fundo Monetário Internacional (FMI) enviou nesta terça-feira o sinal mais claro até agora de que não deve dar um novo pacote de ajuda à Grécia, caso Atenas e seus credores europeus não concordem antes com reformas econômicas e um substancial alívio na dívida.

Dois documentos do Fundo tornados públicos revelam ceticismo ante a possibilidade de que o mais recente programa de financiamento da Europa possa reparar a economia grega. A revisão anual do FMI sobre a economia do país e uma avaliação de seu segundo pacote de ajuda mostram que um terceiro pacote do Fundo em breve parece algo improvável.

O FMI parou de financiar a Grécia há cerca de três anos. O país tem se mantido com o apoio financeiro da Europa, mas pagamentos previstos para junho e julho ameaçam levar novamente Atenas a um default, reviver disputas políticas e mesmo o risco de uma eventual saída do país da zona do euro. A Europa quer que o FMI participe do programa de ajuda graças à credibilidade de seus programas de financiamento. O Fundo, porém, não se mostra animado por ora.

Há pouca indicação de que a União Europeia e a Grécia estejam dispostos a concordar com os termos sugeridos pelo FMI como necessários para voltar a participar da iniciativa. Conversas no mês passado não trouxeram avanços.

A equipe do FMI afirmou em sua revisão anual sobre a Grécia que a dívida do país permanece "altamente sustentável", com pouca perspectiva de retomada no crescimento sem um alívio na dívida e importantes reformas nos sistemas previdenciário e tributário. O fracasso em reparar sua economia e garantir um alívio na dívida, como recomendado pelo FMI, poderia levar a novos problemas de liquidez que, na ausência de mais apoio oficial, poderiam reavivar os temores de saída do país do euro, diz o Fundo. Fonte: Dow Jones Newswires.