• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após manter juro alto, BC libera R$ 45 bi para crédito

  • COMPARTILHE
Economia

Após manter juro alto, BC libera R$ 45 bi para crédito

O Banco Central projeta que o impacto potencial das medidas, ao longo do tempo, pode se elevar em mais R$ 15 bilhões, totalizando R$ 45 bilhões

Nada menos do que R$ 30 bilhões foram liberados Foto: Divulgação

Brasília - O Banco Central anunciou ontem (25) um pacote de R$ 45 bilhões, em mais um esforço do governo Dilma Rousseff para estimular a economia, agora a dois meses da eleição presidencial. Feito sob medida para incentivar a concessão de crédito pelos bancos, principalmente o financiamento de setores tradicionais, como operações com consignado e financiamento de veículos, o pacote surpreendeu o mercado financeiro.

Apenas 24 horas após sinalizar, na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que as pressões inflacionárias justificam o atual patamar elevado da taxa básica de juros, o BC anunciou um pacote na direção contrária (leia matéria na página B3). Nada menos do que R$ 30 bilhões foram liberados, imediatamente a partir de ontem (25), em recursos à vista e a prazo para os bancos.

Até o fim de julho de 2015, quando as medidas devem expirar, os bancos poderão direcionar metade do dinheiro que depositam compulsoriamente no BC para financiar novas operações de crédito aos consumidores e para as empresas. Os bancos também poderão usar esse dinheiro extra para adquirir a carteira de crédito de outras instituições financeiras.

O BC projeta que o impacto potencial das medidas, ao longo do tempo, pode se elevar em mais R$ 15 bilhões, totalizando R$ 45 bilhões. "Não pensamos na medida de hoje para amanhã. Temos de aguardar o comportamento da demanda para saber em quanto tempo os R$ 15 bilhões se transformarão em crédito", afirmou o chefe do Departamento de Normas do BC, Sergio Odilon dos Anjos.

Dilma

As medidas do BC coincidem com interesses do Palácio do Planalto. A presidente Dilma Rousseff e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, discutiam há quase cinco meses formas de fazer com que o mercado de crédito voltasse a crescer fortemente, como ocorreu no período entre 2004 e 2012. Dilma, Mantega e o chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, se reuniram ontem (25) no Palácio da Alvorada, por mais de três horas, para avaliar o pacote.

A preocupação é que o pífio crescimento da economia afete o binômio "emprego e renda", vitrine da campanha de Dilma, causando prejuízo eleitoral. Em conversas reservadas, auxiliares de Dilma avaliam que o pacote "retira o atrito" do mercado e dá fôlego à economia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.