• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Presidente do BoE diz que tem conversado com governo sobre seguir no cargo

  • COMPARTILHE
Economia

Presidente do BoE diz que tem conversado com governo sobre seguir no cargo

Presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Mark Carney sugeriu que estaria "disposto" a seguir no posto, para garantir uma transição "suave" do Reino Unido no processo de saída do país da União Europeia, o chamado Brexit. Segundo ele, porém, o assunto tem sido discutido com o governo e não está claro o que ocorrerá.

Carney fala hoje no Comitê do Tesouro do Parlamento britânico. Segundo a autoridade, a promoção de uma continuidade neste momento em geral é açgp positivo, diante das incertezas sobre o Brexit. De qualquer modo, ele também comentou que há "muitos candidatos qualificados", caso ele não continue a comandar a instituição.

O futuro de Carney tem sido alvo de especulação na imprensa. Em princípio, o mandato dele vai até junho de 2019 e algumas reportagens apontam que ele gostaria de sair, já que tem um filho pequeno e poderia voltar a seu país de origem, o Canadá. Por outro lado, há também reportagens segundo as quais ele pode seguir no posto. Uma integrante do Comitê do Tesouro leu as diversas manchetes recentes sobre o tema, com afirmações divergentes entre si em vários casos, arrancando risadas dos presentes. Em suas primeiras declarações, Carney sugeriu que pode ficar mais tempo por causa do Brexit, mas não se comprometeu e disse que não adiantaria um eventual anúncio a ser feito pelo governo da premiê Theresa May.

Carney afirmou ainda que o cenário básico do BoE continua a ser de um acordo com a UE e que não há um cenário para um fracasso nessas negociações com o bloco. Segundo o presidente do BoE, a instituição trabalha para também traçar cenários para rupturas maiores, embora Carney tenha dito considerar "improvável" uma saída sem acordo da UE nem um período de transição. "Não haver acordo com a UE é uma possibilidade, com riscos de baixa para a economia", admitiu, ao falar sobre o quadro menos provável na opinião dele.