• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Arábia Saudita suspende embargo à carne bovina brasileira

  • COMPARTILHE
Economia

Arábia Saudita suspende embargo à carne bovina brasileira

Em nota publicada pelo ministério, a estimativa do setor é de que o Brasil tenha potencial para exportar 50 mil toneladas de carne bovina ao ano, que equivale a US$ 170 milhões

O ministério afirmou, ainda, que pretende dar fim a todos os embargos contra a carne brasileira  Foto: Divulgação/Governo

Brasília - A Arábia Saudita anunciou, nesta segunda-feira, 9, o fim do embargo da carne bovina in natura do Brasil. A medida foi acertada durante reunião entre a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, e o CEO da Autoridade Saudita de Alimentos e Medicamentos (SFDA), Mohammed Al-Meshal. Os dois definiram um novo modelo de Certificado Sanitário Internacional.

Em nota publicada pelo ministério, a estimativa do setor é de que o Brasil tenha potencial para exportar 50 mil toneladas de carne bovina ao ano, o equivalente a US$ 170 milhões. Os sauditas haviam suspendido a compra da carne brasileira em 2012, depois de um caso atípico de vaca louca.

"O fim do embargo à carne brasileira representa abertura não apenas do mercado saudita, mas de todos os países do Golfo. Somente a Arábia Saudita comprou, em 2014, US$ 355 milhões do produto, o que equivale a quase 100 mil toneladas", disse o ministério por meio de comunicado. "O valor representa 10% de tudo o que o Brasil exporta em carne bovina, que soma 1,1 milhão de toneladas anualmente", explicou a pasta.

A ministra Kátia Abreu, na nota, classificou a medida como "momento muito importante para o Brasil" e como "motivo de comemoração".

O ministério afirmou, ainda, que pretende dar fim a todos os embargos contra a carne brasileira e que o último mercado será o Japão, que deve abrir mercado para a carne processada.

A pasta destacou que o objetivo é expandir a lista de produtos vendidos à Arábia Saudita,a exemplo de frutas, mel e arroz. Há também uma perspectiva favorável para todos os tipos de grãos, já que o governo saudita pretende reduzir a sua produção com o objetivo de diminuir o consumo de água.

O Brasil já é o maior fornecedor de frango, café e açúcar para a Arábia Saudita.