• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Cade mira suposto cartel no mercado de capacitatores

  • COMPARTILHE
Economia

Cade mira suposto cartel no mercado de capacitatores

Brasília - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) informou nesta terça-feira, 2, que 20 empresas e 20 pessoas físicas estão sendo investigadas por suposto cartel internacional, com efeitos no Brasil, no mercado de capacitores eletrolíticos e capacitores de filmes. A abertura do processo administrativo para apurar o caso foi oficializada hoje em despacho publicado no Diário Oficial da União (DOU).

Os capacitores, também conhecidos como condensadores, são componentes de circuito elétrico que têm como função armazenar energia eletrostática e são utilizados em diversos dispositivos, como placas-mãe, computadores, tablets, videogames, instrumentos musicais, sistema de navegação, entre outros.

Estão sendo investigadas as empresas Elna, Fujitsu Media Devices, Hitachi AIC, Holy Stone Enterprise, Matsuo Electric, NEC Tokin, Nichicon Corporation, Nippon Chemicon, Nissei Electric, Nitsuko Electronics, Okaya Electric Industries, Panasonic Corporation, ROHM, Rubycon, Sanyo Electric, Shinyei Technology, Shinyei Capacitor, Soshin Electric, Taitsu, Toshin Kogyo, além de 20 pessoas físicas.

Segundo nota distribuída pelo Cade, os indícios apontam que as empresas envolvidas no conluio compartilhavam informações comerciais sensíveis, discutiam preços e condições de venda e acordavam previamente cotações dos produtos a serem apresentadas a clientes.

"Em relação ao mercado de capacitores eletrolíticos, as condutas anticompetitivas teriam ocorrido, pelo menos, de 1970 a 2010 (com efeitos no Brasil possivelmente a partir de 2003). Já no mercado de capacitores de filmes, o cartel teria sido realizado, pelo menos, entre 1980 e 2009 (com efeitos no Brasil possivelmente desde 2007)", cita a nota.

Os acusados têm 30 dias para apresentar defesa. "Ao final da instrução processual, a Superintendência-Geral do Cade opinará pela condenação ou arquivamento e remeterá o caso para julgamento pelo Tribunal Administrativo do Cade, responsável pela decisão final".