• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

IDV defende redução de prazo de repasses no cartão, ainda em debate no BC

Economia

IDV defende redução de prazo de repasses no cartão, ainda em debate no BC

São Paulo - Entidade que representa os maiores grupos varejistas do Brasil, o Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), defendeu nesta sexta-feira, 23, a redução do prazo de repasse aos lojistas de valores referentes a vendas em cartão de crédito. A medida, que foi mencionada como parte do pacote de ajustes microeconômicos da semana passada, ainda é objeto de discussão entre o Banco Central e setor de cartões.

"Frente às grandes economias globais e até a países da América Latina, o Brasil é o único onde o reembolso pelo sistema bancário das vendas efetuadas pelo cartão de crédito ocorre em 30 dias após a operação, isto além das estratosféricas taxas de juros praticadas no mercado, únicas no mundo", declara o IDV.

O presidente da entidade, também presidente do Conselho de Administração da Raia Drogasil, Antonio Carlos Pipponzi, rebateu ainda em nota argumentos contrários à redução dos prazos.

Sobre o risco de que a redução no prazo resultaria em aumento das taxas de administração dos cartões, Pipponzi defendeu que isso não ocorrerá se houver concorrência no setor.

"Com a abertura do mercado, pelo uso compartilhado das máquinas de captura e a entrada de um maior número de operadoras de cartões, haverá maior concorrência, e as taxas, provavelmente cairão", concluiu.

O empresário acrescenta que vê vantagens como injeção de recursos e melhoria no capital de giro do varejo.

"De imediato, serão construídos inúmeros argumentos para que esta medida não seja implantada, como uma possível desestabilização do mercado financeiro. Mas, na realidade, virá uma nova fase na economia, com injeção de recursos no mercado em enorme velocidade para capital de giro das empresas, aumento do volume de estoques, por meio de maiores compras dos fornecedores, geração de novos empregos e crescimento dos negócios, sem dependência ou subsídio do Governo Federal", declarou.