• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

‘Floribella podia ser o novo Chaves’, diz Juliana Silveira durante entrevista

Entretenimento

‘Floribella podia ser o novo Chaves’, diz Juliana Silveira durante entrevista

O começo na vida artística foi como assistente de palco da apresentadora Angélica. Ela tem no currículo passagens em produções como "Chamas da Vida" e "Balacobaco"

A atriz está no ar como vilã de "Vitória" Foto: R7

No ar como Priscila, vilã da novela “Vitória” (Record), Juliana Silveira comemora a chance de mostrar ao público outra faceta sua, já que sempre emendou mocinhas umas nas outras em produções na TV.

A atriz, aos 34 anos de idade e 21 de carreira, começa a pensar nos projetos que fará em seguida. Além de comemorar a renovação de seu contrato com a Record: ela agora ficará na emissora até 2017.

Em entrevista ao colunista Álvaro Leme, Juliana conversou sobre o trabalho, a vida de mãe e a personagem que até hoje tem uma legião de fãs: Floribella, protagonista de uma novela infanto-juvenil que ela estrelou entre 2005 e 2006.

Ela contou do carinho que sente pela personagem. “Tenho em casa a primeira temporada e assisto com meu filho. É muito fofinho. Ali eu vi que eu gostava de ser atriz. Foi a personagem que me ensinou muito, me deixou segura pra assumir pra mim mesma que eu estava no caminho certo. Até então pensava se não devia fazer uma faculdade. Comecei quatro e nunca terminei, porque sempre dei prioridade ao trabalho. Ainda não senti falta, mas pode ser que um dia dê essa vontade”.

Atriz deu vida à "Floribella" Foto: Reprodução

Ela também revelou que se a novela teen ressurgisse, teria potencial pra ser o “novo Chaves”. “Seria maravilhoso! Mesmo que não se tratasse de novos episódios, se alguém reexibisse num canal pago, por exemplo, teria potencial de ser o novo Chaves. Não estou me achando, não, deixa eu explicar: no sentido de que a novela, como o seriado mexicano, poderia ser algo que encanta gerações diferentes. Eu era pequena e via, hoje tem crianças que assistem. A Floribella teve seu público, mas poderia ir renovando e conquistando outras faixas etárias. Seria lindo!”, contou.

As informações são do colunista Álvaro Leme.