• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após temporada de sucesso no Rio, musical sobre Chacrinha estreia em SP

  • COMPARTILHE
Entretenimento

Após temporada de sucesso no Rio, musical sobre Chacrinha estreia em SP

São Paulo - Diante das câmeras de televisão, Chacrinha era alegria pura: brincava com os calouros, incentivava a plateia, acariciava cantores e cantoras. Em casa, quase sempre trajando apenas cuecas, era um homem irritado, disparando palavrões e lamentando que o índice de audiência do domingo anterior não fora melhor, mesmo que seu programa, Buzina do Chacrinha, fosse um eterno líder no ibope. É esse artista bipolar, que tanto revolucionou a TV brasileira como era impaciente fora de cena, que inspira Chacrinha - O Musical, espetáculo que estreia sexta-feira, 27, no Teatro Alfa, depois de uma temporada de sucesso no Rio de Janeiro (mais de 80 mil pessoas assistiram).

"Charles Chaplin subdesenvolvido", na observação de Nelson Rodrigues, Chacrinha (1917-1988) apresentou novos caminhos para a TV brasileira ao comandar extravagantes concursos de calouros, revelar grandes nomes da música brasileira e inventar bordões tanto originais como infames. "Até hoje, qualquer canção que foi sucesso dos anos 1970 e 1980, passou pelo auditório do Chacrinha", acredita Stepan Nercessian, ator que personifica o Velho Guerreiro com garra e inteligência.

Stepan vive o comunicador em sua fase mais famosa, quando trabalhou na televisão, momento que domina o segundo ato do espetáculo. No primeiro, quem reina é Leo Bahia, jovem ator que vive a adolescência e juventude de Abelardo Barbosa, nordestino que, graças à sua aguda percepção sobre os interesses culturais populares, descobriria como construir um personagem que cairia nas graças do povo. "O início do espetáculo revela como Abelardo encontra os caminhos que o transformaria em Chacrinha", diz Bahia.

"Ele foi o primeiro palhaço da TV brasileira, o artista que arrancou a gravata e passou a tratar o espectador sem nenhuma cerimônia", comenta Pedro Bial, autor do roteiro do musical, escrito em parceria com Rodrigo Nogueira. "Fazemos um tributo à imaginação ao mostrar como foi inconsciente o processo de transformação de Abelardo em Chacrinha."

Estreante como diretor de teatro, o cineasta Andrucha Waddington brinca ao definir Chacrinha - O Musical como um espetáculo formado por dois longos planos-sequência: o primeiro e o segundo atos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.