• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

'Nunca mais vou ouvir que sou nº 1 sem Grand Slam', diz Wozniacki

  • COMPARTILHE
Esportes

'Nunca mais vou ouvir que sou nº 1 sem Grand Slam', diz Wozniacki

A tenista de 27 anos passou a maior parte da carreira ouvindo críticas de que chegara ao topo do ranking, em 2010, sem conquistar um título de Grand Slam

Melbourne - A dinamarquesa Caroline Wozniacki levantou o troféu do Aberto da Austrália, neste sábado, com muita alegria, mas também com uma sensação de alívio. A tenista de 27 anos passou a maior parte da carreira ouvindo críticas de que chegara ao topo do ranking, em 2010, sem conquistar um título de Grand Slam. As provocações, contudo, terminaram neste sábado.

"Estou simplesmente orgulhosa por nunca mais precisar ouvir que 'você foi número 1 do mundo sem nunca ter ganhado um Grand Slam'", disse a dinamarquesa, que retornará ao topo do ranking na próxima semana, por conta da conquista em Melbourne. Desta vez, ela ocupará a primeira colocação do ranking com um troféu de Slam no currículo.

O título veio na vitória sobre a romena Simona Halep, pelo placar de 2 sets a 1, em um grande jogo disputado neste sábado, na Rod Laver Arena. "É de verdade, estou certa de que venci porque estou com o troféu nos meus braços", declarou a dinamarquesa, ainda surpresa com o feito. "Sonhei com este momento por muitos anos."

Ainda com o troféu nas mãos, diante do público na cerimônia de premiação, ela até pediu desculpas à rival por vencê-la na final. "Espero que possa também ganhar um título de Grand Slam no futuro", declarou a campeã. Assim como Wozniacki, Halep também mirava a primeira conquista deste nível. "Caroline fez um torneio incrível. Estou triste, mas Caroline foi muito melhor hoje", disse a romena.

Com o troféu, Wozniacki se tornou a quarta tenista da Era Aberta na lista das que mais demoraram para conquistar um Slam. A dinamarquesa precisou de 43 participações para chegar ao título. À frente dela estão a italiana Flavia Penneta (com 49), a francesa Marion Bartoli (47) e a checa Jana Novotna (45).

A nova campeã de Slam atribuiu o título à retomada do trabalho com o seu pai, Piotr Wozniacki, após fazer parceria com treinadores famosos no circuito. "Meu pai passou por muitas dificuldades em sua trajetória. As pessoas falaram que ele não era bom o suficiente, e 'bla-bla-bla', mas no final das contas passei por tudo isso com ele. Foi ele que me levou tão longe na minha carreira", disse Wozniacki.

Ela vinha de dois vice-campeonatos de Grand Slam na carreira, sendo o primeiro deles em 2009, no US Open - o roteiro se repetiu em 2012, também em Nova York. Assim, precisou de nove anos para faturar o primeiro Slam da carreira.

O almejado troféu também encerrará outro jejum na trajetória de Wozniacki. Ela voltará ao posto de número 1 do mundo, desbancando a própria Halep, seis anos após ocupar o topo pela última vez, em 2012. As duas finalistas em Melbourne integram um restrito grupo de sete tenistas que alcançaram o topo do ranking sem ganhar um Grand Slam antes.