• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Justiça indefere pedido e Andrés se mantém como candidato em eleição corintiana

Esportes

Justiça indefere pedido e Andrés se mantém como candidato em eleição corintiana

São Paulo - A Justiça indeferiu a ação feita pelo candidato à presidência do Corinthians, Romeu Tuma Júnior, que pediu a impugnação da candidatura de Andrés Sanchez. Com a decisão, Andrés continua tendo o direito a concorrer no pleito, que acontece neste sábado.

Por de sua assessoria de imprensa, Andrés comemorou o resultado. "Confio muito na Justiça do meu país. Aliás, muitas pessoas há muito tempo falam besteiras em muitas questões relacionadas a mim. Sobre esse cidadão que tentou cassar minha candidatura, acredito que temos que deixar para o sócio do Corinthians decidir o que é melhor para o clube. A Justiça precisar perder um tempo precioso com esse tipo de assunto é lamentável. Mais lamentável ainda é que pessoas fiquem tentando prejudicar o Corinthians, ao judicializar as eleições. Amanhã, eu espero o eleitor no clube para que o pleito transcorra normalmente e que a vontade dos votos expressos nas urnas seja a melhor para o Corinthians."

A ação de Tuma foi ingressada na 5ª Vara Cível de Tatuapé. Tuma se baseia no artigo 54 da Constituição, que diz: "Deputados e Senadores não poderão [...] firmar ou manter contrato com pessoa jurídica de direito público, autarquia, empresa pública, sociedade de economia mista ou empresa concessionária de serviço público, salvo quando o contrato obedecer a cláusulas uniformes".

Para o candidato da oposição, o Corinthians poderia ser prejudicado caso Andrés fosse eleito. Tuma alega que Andrés, por ser deputado, não pode dirigir clube que recebe verbas públicas e manter o cargo público. "O problema do Andrés é que a Arena (Corinthians) tem contrato com a Caixa e com o BNDES e ele não pode assumir o cargo. Ele até poderia assumir e continuar como deputado, mas para isso, o clube não poderia ter verba pública", explica Tuma.