• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Flávio Rodrigues Guerra tem punição reduzida pelo STJD e pode voltar a apitar

Esportes

Flávio Rodrigues Guerra tem punição reduzida pelo STJD e pode voltar a apitar

São Paulo - O Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu nesta quarta-feira reduzir de 100 para 60 dias a punição imposta ao árbitro Flávio Rodrigues Guerra, pivô de duas polêmicas. Ele foi suspenso por expulsar injustamente o zagueiro David Braz, do Santos, num clássico contra o Corinthians, no segundo turno do Brasileirão. Depois, enquanto cumpria suspensão, foi escalado para um jogo da Copa São Paulo de Futebol Júnior e interferiu diretamente numa vitória do São Paulo sobre o Figueirense.

No lance que motivou a punição ao árbitro, Vagner Love foi derrubado dentro da área pelo lateral Zeca, do Santos. Flávio Rodrigues ficou indeciso no lance e precisou recorrer ao assistente para marcar a penalidade. Após a marcação, contudo, confundiu os jogadores e deu o vermelho para David Braz, ao invés de expulsar Zeca.

O lance polêmico e a decisão equivocada da arbitragem causaram tumulto dentro de campo, entre jogadores e comissão técnica das duas equipes. Ao fim da partida, o Santos não poupou críticas ao árbitro, cobrando medidas da CBF. Como a punição foi aplicada em 30 de novembro, ele já cumpriu o gancho de 60 dias decidido pelo Pleno do STJD e já pode voltar a trabalhar.

OUTRAS DECISÕES - Também nesta terça-feira o STJD decidiu multar Vasco, Cruzeiro, Sport e Atlético-MG em R$ 10 mil por praticarem "acordos de cavalheiros" no empréstimo de jogadores. Cruzeiro e Atlético-MG emprestaram os atacantes Riscos e André, respectivamente a Vasco e Sport, vetando que eles enfrentassem seus clubes de origem no Brasileirão. Corinthians, Flamengo, Internacional, Grêmio, Coritiba, Palmeiras, Goiás e São Paulo foram julgados pelo mesmo motivo e acabaram absolvidos.

O Atlético-MG saiu da sessão no lucro, porque a multa imposta ao clube pelas cusparadas da torcida em direção do técnico Tite, do Corinthians, foi reduzida de R$ 35 mil para R$ 20 mil. A decisão é em última instância.