• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Kleina mantém mistério e faz experiências em treino fechado da Ponte para final

Esportes

Kleina mantém mistério e faz experiências em treino fechado da Ponte para final

Quando a entrada da imprensa foi liberada no CT do Jardim Eulina, os atacantes Pottker, Lucca e Clayson treinavam cobranças de pênaltis. Nino Paraíba e Elton corriam em volta do gramado

O treinador tem dúvidas em todos os setores Foto: Reprodução/Instagram

São Paulo - O técnico Gilson Kleina fez inúmeras mudanças na equipe da Ponte Preta no treino fechado realizado na manhã desta quinta-feira no CT do clube, em Campinas. A revelação foi feita pelo volante Jadson, um dos titulares da equipe. "Ele fez bastante mudança, observou os jogadores, bagunçou bastante. Então não tem nada definido ainda", afirmou o jogador em entrevista coletiva.

Quando a entrada da imprensa foi liberada no CT do Jardim Eulina, os atacantes Pottker, Lucca e Clayson treinavam cobranças de pênaltis; o lateral Nino Paraíba e o volante Elton corriam em volta do gramado.

O treinador tem dúvidas em todos os setores. Na defesa, por exemplo, a disputa será entre Nino Paraíba e Jeferson na direita. Nino era um dos destaques da Ponte até se machucar no segundo jogo das quartas de final contra o Santos, no Pacaembu. Jeferson assumiu a camisa 2 e foi bem, principalmente no jogo de ida contra o Palmeiras, em Campinas, fazendo um gol e participando diretamente de outro. Na esquerda, Reynaldo, que retorna de suspensão, disputa a vaga com Artur.

Na zaga, Fábio Ferreira e Kadu são os principais candidatos a substituir Marllon, que está suspenso. Um dos dois será o companheiro de Yago no domingo. Fábio Ferreira, mesmo criticado pela torcida, leva ligeira vantagem, pois Kadu se recuperou recentemente de um trauma no pescoço.

Na armação, Renato Cajá está recuperado de um edema muscular e pode ser escalado no lugar de Jadson. As chances desta mudança são pequenas. Dificilmente o treinador vai mudar o esquema com três volantes. Escalar Cajá significa diminuir o poder de marcação, embora o time fique mais criativo.

Independentemente da escalação, Jadson acredita na força da torcida no jogo em Campinas. O estádio deverá receber cerca de 18 mil torcedores. "Vamos usar o Majestoso ao nosso favor", afirmou.