• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após cinco anos, dérbi entre Guarani e Ponte Preta volta a parar Campinas

Esportes

Após cinco anos, dérbi entre Guarani e Ponte Preta volta a parar Campinas

Depois de cinco anos, Campinas (SP) volta neste sábado a ter o seu dérbi. Guarani e Ponte Preta se enfrentam a partir das 19 horas, no estádio Brinco de Ouro da Princesa, pela quarta rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Será o 191.º confronto da história entre as duas equipes e o primeiro com torcida única, a do mandante, em medida determinada pelo Ministério Público como tentativa para evitar atos de violência.

Protagonistas de uma das maiores rivalidades do futebol nacional, Guarani e Ponte Preta não se enfrentam desde o Campeonato Paulista de 2013, quando o time alvinegro visitou o rival e venceu por 3 a 1, em jogo pelo Campeonato Paulista. Mas a vantagem no duelo realizado desde 1912 é do Guarani, com 66 vitórias diante 61 do adversário - houve 62 empates.

"Acho que o confronto está entre os cinco clássicos mais empolgantes do Brasil", disse Careca, ex-seleção brasileira e que se consagrou em um dérbi quando tinha apenas 17 anos, em 1978, ao marcar dois gols. "O dérbi aquece tudo: cidade, torcida e até o jornalismo. São muitas histórias, muita rivalidade".

O ex-meia Piá, camisa 10 da Ponte Preta no início dos anos 2000, adota o mesmo discurso. "O dérbi é um campeonato à parte. Atuei por Santos e Corinthians, mas em nenhum lugar vi uma rivalidade como a de Campinas. Os nervos ficam aflorados, é uma loucura na cidade", disse.

A preocupação com a segurança é grande, apesar da torcida única no Brinco de Ouro. Tanto que Polícia Militar e Ministério Público determinaram que os clubes não realizassem treinos na véspera com portões abertos, com eles haviam anunciado. Isso porque os estádios de ambos, Brinco de Ouro e Moisés Lucarelli, estão separados por apenas 800 metros na cidade.

Atualmente, o estádio do Guarani, que já recebeu público de mais de 55 mil pessoas, só pode abrigar 18.170 torcedores. Existe a expectativa de que todos os ingressos seja vendidos, pois até esta sexta-feira mais de 16 mil bilhetes haviam sido adquiridos antecipadamente.

Guarani e Ponte Preta têm campanhas semelhantes, e fracas, neste início de Série B. Somaram três pontos nas três primeiras rodadas, com uma vitória e duas derrotas cada. Enquanto os alviverdes ganharam a única partida que fizeram no Brinco de Ouro - 2 a 0 sobre o Sampaio Corrêa -, os alvinegros pontuaram apenas como visitantes: 1 a 0 diante do Criciúma.

No Guarani, o técnico Umberto Louzer não terá o zagueiro Philipe Maia, suspenso. Seu companheiro Anderson sentiu lesão muscular e ainda é dúvida. Assim, a zaga bugrina deve ser formada pelos estreantes Éverton Alemão e Edson Silva.

Na Ponte Preta, o treinador Doriva promete mudanças na formação. O zagueiro Reginaldo, o meia Danilo Barcelos e o atacante André Luis devem entrar no time. O volante Marciel, que vinha atuando improvisado na lateral esquerda, e o atacante Felippe Cardoso estão com suas vagas entre os titulares ameaçadas.