• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Argentinos fazem barulho no caminho de Copacabana

  • COMPARTILHE
Esportes

Argentinos fazem barulho no caminho de Copacabana

Rio - A prefeitura do Rio de Janeiro tentou manter os argentinos instalados no Sambódromo, ao contratar a equipe de show da escola de Samba São Clemente para animá-los neste domingo de final de Copa do Mundo. Mas não conseguiu. Já pela manhã, o local, assim como o Terreirão do Samba e o Campo de São Cristóvão, na zona central da cidade, estavam vazios. Toda torcida partiu cedo para assistir ao jogo na praia de Copacabana, onde funciona a Fan Fest. No caminho, acordou os cariocas aos gritos de vitória e buzinaços. Dessa vez, foi a população da capital mundial do samba que assistiu ao espetáculo argentino.

Logo pela manhã, o trânsito para a zona sul esteve caótico. Por todos os lados, de ônibus, metrô, táxi e, até mesmo, a pé, os argentinos partiram em festa, convencidos da vitória. Um dos últimos grupos ainda presentes no Campo de São Cristóvão, sete amigos da província de Tucumán, já se preparava também para ir a Copacabana. Eles viajaram 48 horas diretamente até o Rio de Janeiro, e chegaram ontem, exclusivamente para participar da festa. Amanhã mesmo voltam para casa. Ainda que tenham que trabalhar na próxima semana, dizem não se preocupar, porque apostam na vitória da Argentina, e que nesta segunda-feira será feriado em seu país.

"Mas se a Argentina perder, a gente fica no Brasil e vocês vão ter que nos aguentar", brincou Maurício Perez. Ele aposta em uma disputa difícil com a Alemanha, com pelo menos um gol de vantagem para a Argentina.

No Sambódromo, os únicos três torcedores uniformizados que permaneciam no local para aproveitar o show da São Clemente adiaram apenas por poucos minutos a partida para Copacabana, enquanto pulavam ao som da bateria. Ao todo, 300 componentes da escola de samba ocuparam parte da pista central da Apoteose, ao lado do mestre-sala e da porta-bandeira. Mas foram, em especial, as quatro passistas que animaram o pequeno grupo de Buenos Aires. "Muito bonitas", afirmou com entusiasmo Ezequiel Garcia.