• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Brasileiros vão mal no 3º dia do golfe no Pan e ficam longe da zona da medalha

Esportes

Brasileiros vão mal no 3º dia do golfe no Pan e ficam longe da zona da medalha

Toronto - O Brasil deve ficar sem medalhas na primeira aparição do golfe nos programa dos Jogos Pan-Americanos. O País disputava as primeiras colocações na disputa masculina, mas tanto o profissional Adilson da Silva quanto o amador André Tourinho tiveram um dia ruim neste sábado e despencaram na classificação a um dia da definição das medalhas.

Radicado na África do Sul, onde disputa o circuito profissional africano, Adilson fechou o campo deste sábado em 73 tacadas, uma acima do par (precisou de uma tacada a mais do que o previsto para acertar os 18 buracos.

Após a realização de três etapas, o melhor brasileiro do ranking mundial profissional despencou do sétimo para o décimo lugar geral. Está empatado com André Tourinho, campeão nacional amador, que neste sábado jogou duas abaixo do par.

Os brasileiros já precisaram de 214 tacadas para fechar os três campos. A briga pelo bronze envolve três atletas: um argentino, um canadense e um norte-americano, todos com 209 tacadas até aqui. No domingo será disputada a última prova da competição e tanto Adilson quanto André precisam de uma excelente atuação para chegar à zona da medalha.

A liderança é do chileno Felipe Aguilar, com 205 tacadas, onze abaixo do par. Número 218 do ranking mundial, ele é o melhor ranqueado entre os profissionais que estão em Toronto. Só o Chile, aliás, mandou seus melhores atletas. Adilson é o 313.º do mundo e atualmente ficaria com a 58.ª e antepenúltima vaga nos Jogos Olímpicos. Em Toronto, é um dos poucos profissionais.

No Pan estão previstas quatro rodadas, sendo uma por dia, de forma com que a distribuição das medalhas será definida no domingo. No feminino, a amadora Clara Teixeira é só a 28.ª colocada entre 30 participantes. Luiza Altmann foi desclassificada, mas seus resultados seguem contando na disputa em duplas mistas. Luiza é a atual campeã brasileira amadora. Clara, a vice.

Nas duplas mistas, em que é considerado o melhor resultado masculino e o melhor feminino do dia, o Brasil é só o oitavo colocado, com 13 tacadas acima do par. Os EUA lideram com 21 tacadas abaixo. O bronze atualmente está com a Argentina, com 10 tacadas abaixo do par, o que significa que os brasileiros precisariam tirar 21 tacadas de diferença para alcançar a medalha no domingo.