• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Assessor da Fifa apresenta propostas de reforma e defende limitação de mandatos

  • COMPARTILHE
Esportes

Assessor da Fifa apresenta propostas de reforma e defende limitação de mandatos

Zurique - O presidente do Comitê de Auditoria e Conformidade da Fifa, Domenico Scala, declarou nesta quinta-feira que limitar os mandatos presidenciais e dos principais dirigentes da entidade é fundamental para que as mudanças na entidade máxima do futebol sejam efetivas.

Scala publicou, nesta quinta, uma proposta de reforma de 29 páginas, em uma rara demonstração de transparência da Fifa durante o processo que está sendo liderado por François Carrard, ex-dirigente do Comitê Olímpico Internacional.

Ele sugere um máximo de três mandatos de quatro anos para reduzir os problemas causados por pessoas que "ficam muito tempo em posições-chave". "Isso corta os relacionamentos e dependências políticas que surgem com mandatos muito longos", disse Scala, em uma teleconferência.

Joseph Blatter é o presidente da Fifa há 17 anos e chegou a ser eleito para um quinto mandato em maio. Alguns dias depois, ele anunciou a decisão de deixar o cargo, pressionado pelas investigações dos Estados Unidos e da Suíça sobre corrupção no futebol envolvendo vários membros da entidade. Michel Platini, o principal candidato a suceder Blatter, está no seu 14º ano como membro do Comitê Executivo da Fifa.

Scala apresentou as suas ideias na semana passada ao grupo de reforma liderado por Carrard, que deve fazer recomendações ao Comitê Executivo da Fifa em dezembro antes delas serem avaliadas pelas 209 federações filiadas à Fifa no congresso marcado para 26 de fevereiro, quando também será eleito um novo presidente.

Carrard não revelou detalhes após uma sessão de dois dias de seu painel, que se reunirá novamente entre 16 e 18 de outubro em Berna, na Suíça. "Acho que todo o processo de reforma deve ser transparente", disse Scala, nesta quinta, prometendo realizar explanações públicas durante o processo de seis meses até a definição da reforma.

O grupo recebeu críticas por ser muito próximo à Fifa. Ele possui três membros do comitê executivo da entidade e assessores jurídicos de três das seis confederações continentais. "O senhor Carrard e o grupo de reforma tem o meu total apoio", disse.

Scala quer exigir que futuros presidentes e membros do Comitê Executivo da Fifa revelem toda a sua renda relacionada com o futebol ao órgão. Os números não seriam tornados públicos segundo a proposta. Em vez disso, o relatório financeiro da Fifa iria listar categorias de renda identificadas por uma letra.

Scala também quer transformar o modo como a Fifa toma decisões-chave, dando alguns poderes a um conselho de administração constituído por chefes de departamentos, ao invés de concentrá-las no comitê executivo. Muito criticado, o comitê permaneceria existindo, e poderia ter o número de membros aumentado para 40.