• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Justiça condena réus do caso de vítima atingida por vaso sanitário em estádio

Esportes

Justiça condena réus do caso de vítima atingida por vaso sanitário em estádio

Recife - O trio acusado de arremessar um vaso sanitário e ter matado o torcedor Paulo Ricardo Gomes da Silva durante uma partida do Santa Cruz, em maio do ano passado, foi condenado a mais de 20 anos de prisão pela Justiça pernambucana na noite desta quarta-feira. Após horas de embate entre defesa e acusação, os réus Éverton Felipe, Luiz Cabral e Waldir Firmo, juntos, foram condenados em regime fechado pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio de mais três pessoas vítimas do estilhaço do vaso arremessado.

O julgamento, inédito na história do meio futebolístico, foi marcado sob forte comoção popular e de familiares. Teve início por volta das 9h30 e seguiu até quase 20h com a leitura da sentença final. Éverton pegou 28 anos de reclusão, Luiz 25 anos e 7 meses, e Waldir 22 anos e 6 meses. Ao final do julgamento, foram conduzidos para o presídio Barreto Campelo, localizado na Ilha de Itamaracá, no litoral Norte de Pernambuco. Existia expectativa por parte da defesa de diminuir a pena derrubando dois qualificadores (motivo fútil e sem chance de defesa). No entanto, ao fim do julgamento, as pretensões foram sustadas.

A sessão se iniciou com a argumentação da acusação representada pela promotoria do Ministério Público de Pernambuco (MPPE). Os promotores Roberto Brayner e Dalva Cabral apresentaram depoimentos, vídeos e fotos do trajeto do crime. No entendimento de Brayner os elementos foram mais que o suficiente para provar a intenção de matar. "Quem arranca um objeto de 15 quilos, faz todo um esforço para carregá-lo por mais de 100 metros e o joga em direção de várias pessoas só pode ter uma intenção: matar. E se trata de um dolo direto e não eventual."

Da parte da defesa, apenas o advogado do réu Éverton Felipe tentou convencer o júri que seu cliente "apenas" ajudou a arrancar os vasos, não tendo participado do arremesso. Porém, de nada valeu as argumentações.

Por volta das 19h15, após réplica e tréplica de defesa e acusação, o juiz Jorge Luiz dos Santos Henriques reuniu-se com o Conselho de Sentença e deu o veredicto.

HISTÓRIA - O trágico episódio que culminou com a morte do soldador Paulo Ricardo aconteceu em 2 de maio do ano passado durante partida do Santa Cruz com o Paraná. Ele foi surpreendido por um vaso arremessado da arquibancada tendo óbito no local. Os envolvidos foram presos dias depois do crime.