• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após suar para chegar à seleção, capixaba Geisiane participa de sua primeira Paralimpíada

  • COMPARTILHE
Esportes

Após suar para chegar à seleção, capixaba Geisiane participa de sua primeira Paralimpíada

Geisiane de Souza Maia Brito, de 34 anos, iniciou sua trajetória no basquete em cadeira de rodas através do incentivo de um amigo e se apaixonou pela modalidade

Natural de Vitória e residente de Cariacica, a capixaba integra a seleção feminina de basquete em cadeira de rodas Fotos: Lu Moulin

Há dez anos praticando basquete em cadeira de rodas, Geisiane de Souza Maia Brito, de 34 anos, iniciou sua trajetória no esporte através do incentivo de um amigo. Logo no primeiro contato com a bola e a quadra, Geisiane se apaixonou e não quis mais saber de largar a modalidade. Natural de Vitória e residente de Cariacica, a capixaba integra a seleção feminina de basquete em cadeira de rodas, que competirá nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, que acontecem dos dias 7 a 18 de setembro.

Geisiane, que atua na posição de armadora, conquistou dois troféus All Star nos Campeonatos Brasileiros de 2010 e 2011, o troféu Melhor do Ano em 2013 e 2015, e a medalha de bronze nos Jogos Parapan-Americanos de 2015. Agora, com o foco voltado totalmente para a Rio 2016, a atleta revela que chegar à seleção brasileira não foi uma tarefa fácil.

"Foram bastantes treinamentos para que eu chegasse até aqui, na seleção. Sempre com bastante garra, força de vontade e querer. Com tudo isso, graças a Deus eu consegui estar aqui", diz.

Antes de se dedicar ao basquete, a capixaba acumulava problemas de saúde, oriundos de sequelas de rubéola, contraída por sua mãe durante o segundo mês de gestação. Entretanto, a paratleta do Instituto Reabilitacional e Esportivo para Deficientes Físicos do Espírito Santo (Irefes) deu a volta por cima da doença e agora divide um pouco do prazer em participar do maior evento esportivo da humanidade.

"A sensação é maravilhosa. Estar participando de uma delegação brasileira de cadeira de rodas, representar o Brasil e o Espírito Santo é uma honra muito grande. Me sinto muito orgulhosa com todas as dificuldades que passamos, porque foram várias etapas. Eram de 15 a 20 meninas convocadas e só podiam ficar 12. Quando sai a lista e você vê que o seu nome está lá, é uma honra muito grande em participar de uma Paralimpíada", afirma.

Além de Geisiane, Bisa e Jessica também representam o ES pela seleção brasileira de basquete em cadeira de rodas nos Jogos

Geisiane não esconde a ansiedade para competir nos Jogos. "Como é a minha primeira Paralimpíada e aqui no Brasil, dá aquele 'friozinho na barriga' só de pensar. Mas estamos trabalhando a nossa concentração, porque lá, vão gritar nosso nome, vão estar querendo chamar a atenção... Mas nos temos que focar dentro de quadra para jogar bem. Nosso primeiro jogo é contra a Argentina e acho que dá para jogarmos bem", analisa.

Leia também: Paratleta Bisa Silva representa o Espírito Santo nos Jogos Paralímpicos Rio 2016

Sempre alegre e sorridente, em poucas palavras, a paratleta define quem é a Geisiane: "A Geisiane é uma pessoa extrovertida, que leva a vida como ela é. O importante é ser alegre, porque sendo uma pessoa alegre, a vida te abre mais espaço. Sou alegre, divertida, me acho uma pessoa simpática e é desse jeito aí [risos]", finaliza.

O primeiro compromisso de Geisiane na Paralimpíada será com a Argentina, no próximo dia 08 de setembro.

Confira abaixo o clima das meninas do basquete a caminho da Vila Olímpica:

Saiba mais sobre o esporte

Duração As partidas são divididas em quatro períodos de dez minutos. O relógio para sempre que a bola sai da quadra, uma falta é cometida ou a cada pedido de tempo. Cada equipe tem até 24 segundos de posse de bola para fazer o arremesso.

Pontuação As cestas valem um, dois ou três pontos, dependendo da posição do jogador em quadra.  Lance livre: é o pênalti do basquetebol – vale 1 ponto. Linha de três pontos: fique de olho! Se a bola for lançada atrás desta linha, a cesta vale três pontos – cestas feitas sobre ou dentro desta linha contabilizam 2 pontos.

Cadeiras de roda Feitas sob medida para cada jogador e padronizadas para a prática do esporte, são sensíveis a cada movimento do corpo do atleta. A posição das rodas permite maior estabilidade e equilíbrio ao jogador.

A bola Com 76 cm de circunferência, a bola é feita de oito gomos de couro e pesa de 600 a 650g.

Fonte: rio2016.com