• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após queixas de Eurico sobre nova liga, Kalil ironiza: 'fez propaganda para nós'

  • COMPARTILHE
Esportes

Após queixas de Eurico sobre nova liga, Kalil ironiza: 'fez propaganda para nós'

Rio - O CEO da Liga Sul-Minas-Rio, Alexandre Kalil, respondeu com ironia as críticas do presidente do Vasco, Eurico Miranda, que na última quarta-feira, durante audiência na CPI do Futebol, em Brasília, classificou a nova competição como "um processo de elitização do futebol", além de chamar a movimentação de "imoral". Para o executivo da liga, Eurico fez uma ótima promoção do torneio que será disputado pela primeira vez no próximo ano.

"A bondade do presidente do Vasco é uma coisa emocionante. Ele sempre se primou pela bondade e pela generosidade com os mais pobres. É bonito, eu fico até emocionado", alfinetou Alexandre Kalil nesta quinta-feira, logo após participar de reunião técnica de quase quatro horas na sede da CBF, no Rio.

"Eu tenho uma boa relação com ele (Eurico Miranda). Ele serve só para mostrar quem é o lado certo e quem é o lado errado. E ele fez uma ótima propaganda pra nós. Agora todo mundo sabe quem está certo e quem está errado", continuou o ex-presidente do Atlético Mineiro.

Na última quarta-feira, durante audiência na CPI do Futebol, em Brasília, Eurico Mirada fez duras críticas à organização da Liga Sul-Minas-Rio e do torneio que será disputado por 12 dos clubes que a integram. A competição será disputada em cinco datas no próximo ano, em meio aos Estaduais. Do Rio, apenas Flamengo e Fluminense - que estão rompidos com a federação local - irão participar.

O temor do dirigente do Vasco é que a nova competição esvazie ainda mais o Estadual. "É imoral, pois traz prejuízos aos demais clubes. No estadual do Rio de Janeiro você tem 14 times, além dos quatro grandes, que seriam prejudicados. Mais 19 da segunda divisão e outros tantos da terceira que sobrevivem exclusivamente do Campeonato Carioca", criticou Eurico Miranda.