• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após nova reviravolta, primeira fase do polo aquático em 2016 será no Maria Lenk

Esportes

Após nova reviravolta, primeira fase do polo aquático em 2016 será no Maria Lenk

São Paulo - Dirigentes da Federação Internacional de Natação (Fina) e do Comitê Organizador do Rio-2016 chegaram a um acordo nesta terça-feira para que a fase preliminar das competições de polo aquático na Olimpíada sejam mesmo realizadas no Parque Aquático Maria Lenk. A fase final será jogada no Estádio Aquático Olímpico.

A informação foi inicialmente publicada pelo técnico Alex Pussieldi, comentarista do SporTV, e confirmada pela Agência Estado junto a fontes ligadas à Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA). O anúncio oficial da decisão deverá ser feito na quarta-feira.

O imbróglio sobre o polo aquático começou quando o Parque Aquático Julio Delamare, parte do Complexo do Maracanã, foi excluído dos Jogos, em maio, por causa do atraso nas obras. À época, especulou-se que as partidas seriam levadas para o Maria Lenk, mas depois a Fina e o Comitê Rio-2016 apontaram que seria inviável organizar no mesmo local as competições de polo aquático, saltos ornamentais e nado sincronizado.

O polo foi então transferido, extraoficialmente, para o Complexo de Deodoro, que já vai receber as competições de pentatlo moderno e, por isso, dispõe de uma piscina. Cornel Marculescu, secretário geral da Fina, é dirigente ligado ao polo aquático e não teria aceitado a mudança, que excluiria a modalidade do "coração" dos Jogos.

Nesta terça-feira, ele e Gianni Lonzi, diretor de polo da Fina, foram até o Maria Lenk acompanhados de dirigentes do Comitê Organizador e bateram o martelo. O local receberá partidas entre 6 e 14 de agosto. Depois, com o fim das competições de natação no Estádio Aquático Olímpico, os jogos de mata-mata passarão a ser lá, a partir do dia 15.

Com a decisão de realizar a fase de grupos do polo aquático no Maria Lenk, a Fina consegue atender seu objetivo de concentrar todas as disputas de esportes aquáticos (com exceção da maratona aquática, por motivos óbvios) no parque olímpico da Barra.

Além disso, evita-se a necessidade de mais obras em Deodoro. O prefeito Eduardo Paes havia se comprometido a construir uma piscina de aquecimento e quatro vestiários no local para atender às demandas do polo aquático.