• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após negativa da CAS, advogado diz que Platini está confiante e provará inocência

  • COMPARTILHE
Esportes

Após negativa da CAS, advogado diz que Platini está confiante e provará inocência

Lausanne - O advogado de Michel Platini tentou adotar um discurso otimista após a Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) não aceitar o seu recurso contra a suspensão provisória de 90 dias imposta pelo Comitê de Ética da Fifa. De acordo com Thibaud d'Ales, o ex-jogador francês segue confiante de que provará a sua inocência.

"Obviamente, Michel Platini teria preferido voltar aos seus deveres", disse o advogado em entrevista à agência de notícias Associated Press. "Mas ele continua muito confiante de que será absolvido ao final. É melhor ganhar sobre o mérito do caso do que sobre a suspensão provisória".

A decisão da CAS mantém Platini afastado da eleição presidencial da Fifa, marcada para 26 de fevereiro de 2016. Além disso, ele segue afastado do comando da Uefa e não poderá participar neste sábado do sorteios do grupos da Eurocopa de 2016, que vai ser disputada na França.

Platini é suspeito de ter, ao lado de Joseph Blatter, fraudado as contas da Fifa ao não declarar um pagamento de US$ 2 milhões feito pelo suíço a ele. O Ministério Público da Suíça abriu um inquérito e, na Fifa, ambos foram temporariamente suspensos.

O pagamento foi feito a Platini em 2011, sendo apontado como um salário retroativo por ambos, embora não tenha sido formalizado em um contrato. Platini foi um conselheiro presidencial de Blatter entre 1998 e 2002. Porém, o momento do pagamento levantou suspeitas. Platini foi pago somente em fevereiro de 2011, três meses antes de uma eleição presidencial da Fifa, que Blatter ganhou. Na semana que vem, a Fifa promete se pronunciar de forma definitiva sobre a pena que aplicará contra Blatter e Platini.

Se francês fracassou no seu recurso à CAS, outro dirigente acionou nesta sexta-feira o tribunal. O ex-jogador de Trinidad e Tobago David Nakhid acionou a corte para tentar participar da eleição após o comitê eleitoral da Fifa não aceitar a sua candidatura.

Nakhid conseguiu o apoio exigido de cinco federações, mas uma dessas manifestações, das Ilhas Virgens, foi cancelada porque o país referendou duas candidaturas, o que não é permitido pela Fifa.