• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Esquiva Falcão luta em março nos EUA antes de combate válido por cinturão mundial

  • COMPARTILHE
Esportes

Esquiva Falcão luta em março nos EUA antes de combate válido por cinturão mundial

Se o boxeador se mantiver invicto como profissional, encarará, já em junho, o japonês Ryota Murata, provavelmente em Las Vegas

São Paulo - O brasileiro Esquiva Falcão já tem o seu calendário de 2018 definido. O próximo combate do medalhista olímpico será contra o francês Salim Larbi, no dia 10 de março, em Los Angeles, nos Estados Unidos. A luta terá duração de 10 rounds. Se o boxeador se mantiver invicto como profissional, encarará, já em junho, o japonês Ryota Murata, provavelmente em Las Vegas, pelo cinturão da Associação Mundial de Boxe (WBA, na sigla em inglês).

"É um adversário bastante experiente com muitas lutas no cartel. Vou em janeiro para os Estados Unidos me preparar para esse combate e claro para pegar o Murata", disse o capixaba.

A luta de junho será a reedição da final olímpica de Londres-2012, quando o japonês, que detém o cinturão da categoria dos médios, ficou com a medalha de ouro em uma decisão polêmica. "Vou pegar a medalha de ouro que deveria ser minha e trazer esse cinturão para o Brasil. Mas como sempre digo, é um passo por vez. Primeiro vou dar o meu melhor diante do Larbi para depois focar exclusivamente no Murata", contou Esquiva Falcão.

O boxeador brasileiro já fez 19 lutas como profissional e tem 13 nocautes. O capixaba segue invicto na carreira. "Finalmente o Esquiva entrou na reta final para disputar o título do mundo. Tenho certeza que o Esquiva vai ganhar, vai se apresentar bem. Ele deve voltar a treinar em Los Angeles, já agora no início de janeiro. E deve ficar lá até a disputa do título do mundo que vai ser em junho. Agora finalmente, desde que o Esquiva passou para o profissional, a gente vem focando essa revanche. Inclusive também era de interesse da Top Rank fazer essa luta e calhou que agora o japonês é o campeão do mundo, então nada melhor para culminar a grande revanche olímpica, valendo o título mundial profissional", explicou o manager do atleta, Sérgio Batarelli.