Controle X Condução – Faz diferença na Educação Infantil

Olá!
Hoje o que eu gostaria de trazer prá vocês é fruto de um trabalho muito especial que faço pela minha empresa BRAIN Educacional e se chama “consultoria de acompanhamento de educadores”. Neste trabalho eu fico 45 minutos em sala, só observando as crianças e os educadores – geralmente professor +auxiliar – e, depois, mais 45 minutos com os educadores, em particular para o feedback: elogios, reflexões e sugestões para a co-construção de uma prática ainda mais assertiva com as crianças.

Algumas situações e falas simples dos educadores, transformam a relação com as crianças baseada no CONTROLE.

Buscando incentivar a construção da AUTONOMIA, talvez fosse mais interessante basear a relação na CONDUÇÃO.

Vejamos alguns exemplos:

– “A tia vai mexer primeiro e depois vai deixar vocês mexerem.” – O verbo “deixar” aqui é que mostra a relação de controle, ou seja, as crianças só podem fazer o que a professora deixar e quando ela deixar. Não pode fazer isso e também não pode fazer agora porque a tia não deixa.

– “Agora é a vez da Fulana mexer, isso, agora Ciclano, isso, agora Beltrana…” – Ao invés de tomar todas as decisões e ir controlando a vez de cada criança, a professora poderia incluir as crianças nas decisões e apenas mediar a relação entre elas. Poderia combinar as regras antes com a participação das crianças, por exemplo: quanto tempo cada um terá para mexer nisto? Qual será a ordem que o objeto vai passar? Depois de tudo definido, só facilitar a atividade, com interferências só no caso de haver real necessidade.

– Algumas crianças puxaram suas cadeiras e sentaram próximas a parede da sala. Ao perceber isso a professora disse: “A tia pediu para vocês sentarem aí? Eu quero que Beltrano, Fulana e Ciclano coloquem as cadeiras no lugar.”  – Aqui temos um “mandou” disfarçado de “pediu” e um declarado “quero” deixando registrado no subconsciente das crianças que só devem fazer o que a tia pedir ou quiser.

É sutil e se não estivermos atentos, vamos minando as oportunidades das crianças participarem das decisões, manifestarem seus desejos e vontades, se desenvolverem com liberdade e autonomia.

Num processo mais maduro, o CONTROLE vai dando espaço para a CONDUÇÃO que vem acompanhada do desenvolvimento da AUTONOMIA, da AUTOESTIMA, da INDEPENDÊNCIA, da AUTOCONFIANÇA, da capacidade de tomar DECISÕES por parte das crianças.

Competências que podem ser determinantes para aumentar as chances destas crianças serem bem-sucedidas em suas vidas.

Com carinho para nossa reflexão,

Isa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *