A sensibilidade marcou a foto da categoria Fotografia do Prêmio Ecologia 2015

Leomar Stuhr é o típico produtor rural, que amanhece e termina o dia deixando muito suor na árida terra da localidade de São João do Garrafão, em Santa Maria do Jetibá.

Hoje com 33 anos, Leomar encara o estafante trabalho no campo desde os 15 anos. Apesar desse complicado cenário, afetado imensamente pela pior crise hídrica do Espírito Santo, ele não desiste e afirma, com simplicidade que “enquanto há fé há esperança”.

Foi com essa mesma simplicidade e uma dose grande de sensibilidade que Leomar Stuhr foi o segundo colocado no Prêmio Ecologia 2015, na categoria Fotografia. Ele tirou a inspiração para registrar a foto na própria realidade de seu dia-a-dia de trabalho no campo.

Ele lembra que a crise hídrica, em 2015, também era bastante grave e preocupante. Sem máquina fotográfica – com um simples celular – Leomar conta que observou, na terra rachada pelo forte sol, uma pequena muda de planta nascendo. Foi quando teve a iniciativa de registrar a resistência da natureza.

“Naquela época, como agora, não havia nem água para irrigação. É quando o trabalho na roça fica praticamente insustentável. Aquela plantinha nascendo mesmo com o solo completamente seco nos manda uma mensagem de resistência”, declara Leomar.

Ele lembra que fez a foto por fazer. Seria apenas um registro particular. Mas foi incentivado a participar do Prêmio Ecologia 2015 por uma professora do município. E conta, ainda, que só teve a possibilidade de concorrer porque houve a prorrogação das inscrições.

A premiação de segundo colocado na categoria Fotografia foi uma baita surpresa. “É claro que fiquei feliz da vida. Não esperava nunca ser premiado. A participação já era uma vitória”, avalia o produtor.
Atualmente, a crise hídrica continua a trazer transtornos para a população de todas as regiões do Espírito Santo. Na opinião de

Leomar, ainda está um pouco pior se comparado com o mesmo período do ano passado. Ele declara que a falta de água esse ano começou ainda mais cedo e isso tem agravado a situação. A esperança está na possibilidade de que a chuva venha em outubro.

Leomar também revela que está motivado em participar mais uma vez do Prêmio Ecologia. Ainda não fez nenhuma foto porque nenhuma situação ainda lhe chamou a atenção. Mas certamente a difícil situação no campo e a sempre resistente natureza vão lhe oferecer opções de, mais uma vez, registrar a esperança que insiste em se manter viva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *