Represa da Esperança

Por Francine Leite, repórter da série

“A água para a terra é como um combustível para o carro. Você pode ter o melhor carro do mundo. Sem gasolina ele não serve para nada.” Foi com essa frase que o Seu Rudelei, um produtor rural que conheci lá no interior da Serra, se despediu de mim no fim da entrevista.

Em todos esses anos de reportagem aprendi que se um desafio não move um jornalista, ele derruba qualquer pauta que cair nas mãos do nobre repórter.

Para a matéria que escalamos para abrir a série Ecologia, pensamos em mostrar como a água é o principal insumo das atividades econômicas. Sem ela não dá para plantar, crescer, colher, nem ligar os botões da indústria. Aí como a gente imagina a reportagem no ar: água em abundância, onde menos se imagina, muita água, jorrando por todo canto. Só que não.

ecologiaSeu Rudelei planta café, tem 60 mil pés na propriedade. Irriga todos eles, de gotinha em gotinha, com a água que tem na própria terra. Ou com a água que ele faz ter…

Assim que chegamos no sítio, a decepção tão anunciada por nós mesmos nos jornais: o córrego seco fez os produtores rurais desenvolverem barragens para represar a água da chuva. Mas cadê a chuva que não cai? Das oito represas, apenas uma, praticamente vazia, é que está dando conta dos milhares de pés de café.

Claro que nós, como repórteres, queremos saber como aquela lavoura está tão verde e vistosa. Como que a falta de água não dá prejuízo ao agricultor, que vive do campo. Então o Seu Rudelei, do alto de sua experiência e resiliência à vontade soberana da natureza, nos diz que as perdas não passaram perto do tanto de prejuízo que eles esperavam. Que em outros lugares, a seca castiga muito mais. Que, em breve, tudo isso vai passar. E os brotinhos de café, que viram grãos no ano que vem, vão trazer vida nova ao campo. É como se ali, de dentro da represa completamente vazia e emoldurada de terra, ele só pensasse no futuro. É o respeito a essa terra que planta esperança no coração de quem vive para ver a vida brotar do chão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *