• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Caramujos africanos invadem orla da Praia de Camburi

  • COMPARTILHE
Geral

Caramujos africanos invadem orla da Praia de Camburi

É importante ter cuidado caso seja necessário pegar o molusco, já que ele é um transmissor direto de doenças

Os caramujos apareceram no calçadão da praia Foto: Sérgio Rezende

Uma infestação de caramujos na orla da Praia de Camburi, em Vitória, está incomodando moradores, comerciantes e turistas da região.

O registro foi feito por um morador da região, o Sérgio Rezende que passava pelo local. São vários moluscos espalhados pela orla e também no meio da vegetação.

Infestação na Praia da Costa 

No dia 7 de dezembro, os caramujos também invadiram a orla da Praia da Costa. A época do verão é a preferida para a proliferação do animal. O ambientalista Luiz Fernando Schettino explicou que o caramujo precisa de ambientes úmidos e quentes para se reproduzir. "Eles se adaptaram muito bem aqui (na praia). Não tem predadores e eles produzem, em média, 200 ovos a cada cinco meses. Então, conseguem se reproduzir muito rápido". 

Importante

É importante destacar que o caramujo só deve ser catado com proteção nas mãos (luvas ou sacolas plásticas). O animal não deve ser esmagado, pois os ovos grudam na sola do calçado e podem ser espalhados pela cidade. A sacola deve ser bem vedada para que ele não fuja. A população pode obter informações por meio da Ouvidoria Municipal 162.

Atenção às dicas:

--> Os moluscos devem ser coletados sempre com uma proteção nas mãos, como luvas descartáveis ou sacolas plásticas;

--> Não se deve usar veneno, sal ou outras substâncias para matar o animal, pois podem contaminar o ambiente e não afetam o molusco. Somente o cal virgem vai matar tanto os ovos quanto o animal adulto;

--> Os animais recolhidos devem ser enterrados em uma cova de aproximadamente 40 cm, utilizando o cal virgem no fundo da vala;

--> Jamais ingeri-lo;

--> Não transportá-los nem jogá-los vivos em áreas de vegetação.

Confira o vídeo da matéria: