• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Karzai: prisões estrangeiras no Afeganistão são ilegais

Geral

Karzai: prisões estrangeiras no Afeganistão são ilegais

Cabul - O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, acusou nesta terça-feira as forças dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha de continuarem a operar as instalações "ilegais" de detenção no país, em mais uma acusação do líder político contra os seus apoiadores estrangeiros.

O comandante das forças de segurança de Karzai, Ghalum Farooq Barakzai, disse que as forças britânicas mantêm detidos seis afegãos em uma prisão em Kandahar e outros 17 outra instalação na província de Helmand. Ele disse, no entanto, que não foram encontrados presos nas instalações norte-americanas.

O presidente afegão tem dito repetidamente que quaisquer centros de detenção estrangeiros no Afeganistão são ilegais. "Depois de muitos decretos que foram emitidos pelo palácio presidencial proibindo a manutenção dessas prisões, as forças estrangeiras ainda estão detendo afegãos e mantendo-os nesses centros de detenção. É uma clara violação da lei do Afeganistão", disse o comunicado do gabinete de Karzai.

Autoridades militares dos Estados Unidos não respondem aos pedidos de entrevista. A coalizão, que tem transferido gradativamente os detidos para os militares afegãos, protestou no início deste ano quando Karzai ordenou que dezenas de suspeitos considerados perigosos pelas forças estrangeiras fossem libertados sem julgamento de um tribunal.

Autoridades militares britânicas disseram em um comunicado que "os detidos são mantidos presos a pedido das autoridades afegãs quando há evidência ligando-os a atividades criminosas". O texto informa ainda que a detenção é crucial para a remoção dos insurgentes que atacam forças de segurança e civis no país.

O caso é o mais recente desentendimento entre Karzai e seus aliados ostensivos, que estão frustrados com a retórica cada vez mais antiamericana do presidente afegão e a sua recusa em assinar uma acordo de segurança para manter um pequeno número de soldados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) liderados pelos EUA. Washington está esperando o sucessor de Karzai, que será conhecido após o segundo turno de julho, para negociar diretamente com o novo líder. Fonte: Associated Press.