• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após repercussão negativa, estudantes de medicina se explicam: 'Foi uma brincadeira'

  • COMPARTILHE
Geral

Após repercussão negativa, estudantes de medicina se explicam: 'Foi uma brincadeira'

O documento foi escrito com o apoio do advogado dos universitários, Felipe de Bortoli Munhoz. Ele disse também que os jalecos são bem longos e por baixo dele usavam shorts

A foto foi publicada no último domingo (9) e foi bombardeada de comentários repudiando o ato Foto: Reprodução

Em carta aberta nas redes sociais, os estudantes de medicina da Universidade Vila Velha (UVV), que tiraram uma foto com o jaleco do curso, as calças abaixadas e simulando uma genitália feminina com as mãos, divulgaram seu pedido de desculpas. A foto foi publicada no último domingo (9) e foi bombardeada de comentários repudiando o ato.

"Nós, alunos envolvidos na polêmica, infeliz e inadequada foto, vimos apresentar as nossas mais sinceras desculpas à sociedade, em especial às mulheres, à classe médica e à instituição de ensino", diz a carta.

Ainda no documento, os estudantes afirmaram que não tiveram intenção de ofender a ninguém e que estão tristes com toda a situação ocorrida. "Estamos tristes com toda a repercussão negativa, mas assumimos o quanto estávamos equivocados", escreveram.

O documento foi escrito com o apoio do advogado dos universitários, Felipe de Bortoli Munhoz. Ele disse também que os jalecos são bem longos e por baixo dele usavam shorts, com cuidado para não expor nenhuma nudez. "Foi uma brincadeira, ao contrário das exposições de nudez escancaradas que vemos na nossa mídia no dia a dia", afirmou o advogado.

Munhoz também informou que os jovens estão passando por um momento delicado. "Nunca puderam imaginar tal repercussão e estão sofrendo com isso. Eles pedem desculpas caso tenham ofendido alguém, pois esta não foi a intenção", alegou.

A UVV ouviu os estudantes na terça-feira, 11, e abriu uma sindicância para apurar o caso, que pode resultar em uma punição aos alunos. O resultado sai em 30 dias.