• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Arábia Saudita intensifica ataques no Iêmen, horas antes de pausa humanitária

Geral

Arábia Saudita intensifica ataques no Iêmen, horas antes de pausa humanitária

Sanaa, Iêmen - Ataques aéreos liderados pela Arábia Saudita com o intuito de atingir posições dos rebeldes xiitas em torno da capital do Iêmen, Sanaa, continuaram nesta terça-feira, horas antes do acordo de uma pausa humanitária que começará na noite de hoje.

O cessar-fogo, programado para começar às 23h (do horário local), destina-se a ajudar a aliviar o sofrimento de civis no Iêmen, país mais pobre do mundo árabe.

De acordo com as autoridades de segurança, os ataques aéreos durante a noite e pela manhã foram direcionados aos depósitos de armas e outras instalações militares dos rebeldes, conhecidos como houthis, ao norte e sul da capital Sanaa, cidade que possui cerca de 4 milhões de pessoas. A base militar localizada no aeroporto internacional da capital também foi alvejada.

Os ataques pararam um pouco antes da chegada do recém-nomeado enviado das Organizações das Nações Unidas (ONU) para o Iêmen, Ismail Ould Cheikh Ahmed, em sua primeira visita ao país. Ahmed disse a repórteres que planejava se encontrar com diversas partes, incluindo os rebeldes houthis para garantir a pausa humanitária.

Desde o início do conflito com a Arábia Saudita, em 26 de março, 1.400 pessoas já morreram. Cerca de 25 milhões de pessoas no país sofrem com a escassez de alimentos, água, remédio e energia elétrica.

O Ministério da Saúde disse hoje que os dados preliminares mostram que os ataques aéreos de segunda-feira, em Sanaa, mataram 10 pessoas e feriram 162, a maioria civis.

As autoridades disseram que os ataques estão entre os mais forte em Sanaa desde que a campanha contra os rebeldes começou.

De acordo com sites de militantes islâmicos, quatro membros da Al-Qaeda, afiliada ao Estado Islâmico, foram mortos em um ataque dos Estados Unidos com drone, na província de Mukalla. Fonte: Associated Press