• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Justiça veta ação de SP contra empresa suspeita em caso da Máfia do ICMS

Geral

Justiça veta ação de SP contra empresa suspeita em caso da Máfia do ICMS

São Paulo - A Justiça de São Paulo proibiu a Secretaria Estadual da Fazenda de fiscalizar uma empresa suspeita de ter pago R$ 17 milhões em propina a fiscais acusados de integrar a Máfia do ICMS no Estado. O pedido foi feito pelo Ministério Público Estadual (MPE), que identificou na ação da Receita paulista uma possibilidade de "retaliação" e "intimidação" contra vítimas da quadrilha que estariam dispostas a colaborar com a investigação. O governo Geraldo Alckmin (PSDB) diz que vai cumprir a decisão.

No despacho, a juíza Margarete Pellizari, da 2.ª Vara Criminal de Sorocaba, afirma que "a preservação" da Prysmian Energia Cabos e Sistemas do Brasil S/A durante a investigação "é de suma importância" para "permitir agregar novos elementos às provas colhidas inicialmente".

A empresa afirma ser vítima dos fiscais e diz que está colaborando com os promotores do Grupo Especial de Repressão a Delitos Econômicos (Gedec) do MPE. A decisão vale até o fim do processo penal, que está em segredo de Justiça.

Os pagamentos de propina da Prysmian aos fiscais paulistas para reduzir o valor de dívidas e multas relativas ao Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) foram feitos pelo doleiro Alberto Youssef, entre 2010 e 2011, conforme ele relatou a promotores criminais e representantes da Corregedoria-Geral da Administração (CGA) em depoimento colhido em junho deste ano e revelado pelo Estado. Até agora, dez fiscais já foram presos acusados de formação de quadrilha, concussão (extorsão praticada por servidor público) e lavagem de dinheiro.

Coerção

"É inegável que, devido ao seu caráter coercitivo e intimidatório, a realização de fiscalização tributária na empresa em questão, procedida a mando e pelos pares dos investigados, teria o condão, em tese, de influenciar no ânimo destes e de seus representantes, a ponto de dissuadi-los do intento de noticiar outras ocorrências, colaborar com as investigações e, quiçá, entabular acordos de colaboração premiada, tudo em prejuízo da persecução penal", afirma a juíza na decisão.

Os promotores acionaram a Justiça após descobrirem que a Diretoria Executiva da Administração Tributária (Deat) da secretaria planejava fazer novas fiscalizações na Prysmian. No despacho, Margarete Pellizari destaca que a fiscalização "constitui dever funcional da Receita", mas pondera que os fiscais acusados e agentes ainda não identificados "teriam se utilizado do expediente de instauração de fiscalizações, inclusive simultâneas, em unidades da mesma empresa, a fim de viabilizar os crimes de concussão".

A juíza afirma que há notícia de que esse mesmo modus operandi era repetido em outras empresas, "o que revela audácia, destemor e periculosidade", e, segundo ela, tornou necessário o acolhimento do pedido feito pelo MPE. Procurados, os promotores não quiseram falar do caso.

Em nota, o governo Alckmin informou que vai cumprir a decisão judicial e "paralelamente manterá investigação da Corregedoria-Geral da Administração em parceria com o Ministério Público, que aponta esquema de pagamento de propina envolvendo fiscais da Receita estadual".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.