• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Governo de SP quer estender linha da CPTM até Campinas

  • COMPARTILHE
Geral

Governo de SP quer estender linha da CPTM até Campinas

O governo de São Paulo quer estender a linha 7-Rubi, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), para fazê-la chegar até Campinas, município localizado a cerca de 90 quilômetros da capital. Hoje, a linha já chega até Jundiaí, a cerca de 60 quilômetros de distância.

Segundo a Secretaria de Transportes Metropolitanos, representantes do governo apresentaram um projeto nesta terça-feira, 4, durante viagem experimental em um dos trechos do futuro Trem Intercidades (TIC). "Para isso, será necessário recuperar e eletrificar parte da rede ferroviária local, utilizada hoje somente para transporte de cargas poucas vezes ao dia. Inicialmente a ideia é disponibilizar trens da CPTM entre Campinas e o centro de São Paulo em alguns horários ao longo do dia", informou a pasta em nota.

O Executivo estadual pretende firmar convênio com a União e a Rumo Logística, concessionária do trecho da ferrovia federal, para cessão da via. "Há ainda a possibilidade de que seja feita uma parceria com a Rumo para o desenvolvimento dos projetos básico e executivo das obras de recuperação da via férrea e de energização da rede aérea. Serão cerca de 50 km de rede aérea entre Jundiaí e Campinas", explicou a secretaria.

Viagem experimental

Na manhã desta terça, representantes do governo do Estado fizeram uma viagem experimental no trecho da ferrovia federal, entre Campinas e Louveira, onde deve passar o futuro TIC. A estrutura atenderá às cidades São Paulo, Jundiaí, Campinas e Americana, em 135 km de trilhos e nove estações.

"A estimativa inicial é de que o ramal transporte cerca de 68 mil passageiros por dia. O trem de média velocidade deve operar junto com a linha 7-Rubi da CPTM, que já vai até Jundiaí. O custo total estimado é R$ 5,4 bilhões, dos quais R$ 1,8 bilhão deve ser investido pelo governo do Estado."