• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Vizinho erra o caminho e jovem dá à luz dentro de carro em frente a hospital em Vila Velha

  • COMPARTILHE
Geral

Vizinho erra o caminho e jovem dá à luz dentro de carro em frente a hospital em Vila Velha

Equipe do Hospital Antonio Bezerra de Faria ajudou a levar para o pronto-socorro Franciely Canaverde dos Santos, de 23 anos, e a pequena Francine

Franciely entrou em trabalho de parto a caminho da maternidade | Foto: Divulgação/Sesa

Já faz um tempo que realizar partos deixou de ser parte da rotina do Hospital Estadual Antonio Bezerra de Faria, localizado no bairro Jaburuna, em Vila Velha. Mas, no final da manhã desta terça-feira (04), um chorinho de recém-nascido ecoou novamente pelos corredores do hospital. Era a pequena Francine, que foi levada às pressas para uma sala no pronto-socorro logo após a mãe, Franciely Canaverde dos Santos, de 23 anos, ter dado à luz de forma inesperada, dentro do carro, em frente ao estabelecimento.

“Quando eu cheguei, a criança já havia nascido. A princípio, estimulei a neném. Fiz um estímulo torácico e nas costinhas, o que a gente chama de batidinha nas costas. Aí ela começou a chorar. Cortei o cordãozinho, aspirei a boquinha. Tinha uma enfermeira obstétrica auxiliando. Levei as duas para dentro do hospital para retirar a placenta e prestar os cuidados básicos pós-parto”, contou o clínico geral Marcus Vinícius Littig da Fonseca, médico do Hospital Antonio Bezerra de Faria.

A presença da mãe e da bebê naquelas circunstâncias causou agitação no hospital. Para Josiany Martins Ferreira Fernandes, uma das enfermeiras que estava presente no momento, pareceu até cena de novela a bebê sendo levada nos braços pelo corredor do pronto-socorro. “Enquanto o médico auxiliava a mãe ali no carro eu corri para pegar panos e luvas. Foi um susto, porque a gente não tem uma estrutura de maternidade, mas estamos aqui para prestar assistência. Foi um trabalho muito lindo. A mãe estava totalmente lúcida e cooperativa”, contou a enfermeira, que diz ter passado por uma experiência semelhante há 17 anos, quando ainda era técnica de enfermagem e auxiliou um trabalho de parto no meio da rua, em Vitória.

Após a equipe do Hospital Antonio Bezerra de Faria avaliar os exames que a mãe levava na bolsa, a pequena Francine mamou pela primeira vez. Logo em seguida, as duas foram encaminhadas de ambulância para o Hospital Estadual Infantil e Maternidade Alzir Bernardino Alves (Himaba), localizado no bairro Soteco, também em Vila Velha.

Maternidade

Passado o alvoroço e já internada no Himaba, Franciely, moradora da Serra, conta que nesta terça pela manhã, depois de completadas as 40 semanas de gestação, ela, acompanhada do esposo, Adriano Silva dos Santos, de 29 anos, arrumou a bolsa e seguiu para uma maternidade em Cobilândia, Vila Velha.

Franciely e a pequena Francine foram levadas para o Hospital Antônio Bezerra de Faria e passam bem | Foto: Divulgação/Sesa

O casal recebeu o auxílio do vizinho da família, o senhor José, que gentilmente disponibilizou o carro e se prontificou a levar o casal ao hospital. Mas o motorista errou o caminho e foi parar em um bairro distante da maternidade. Enquanto o motorista e o esposo tentavam encontrar o caminho certo, Franciely começou a se queixar de muita dor. Era a pequena Francine que já dava os primeiros sinais para nascer.

Ao longo do caminho, as contrações foram aumentando e o inesperado aconteceu: a bolsa estourou e Franciely entrou em trabalho de parto ali mesmo, dentro do carro. Foi o esposo e o senhor José que auxiliaram o parto, que aconteceu dentro do carro. Para a mamãe, o momento foi de surpresa e medo.

“Eu senti muita dor e percebi que a bolsa tinha estourado. Logo depois minha filha já começou a sair e meu esposo foi quem puxou ela. Eu fiquei com medo na hora, pois tudo podia acontecer, mas graças a Deus deu tudo certo e ela nasceu”, contou.

Franciely disse que o melhor momento foi quando escutou o choro da filha. “Naquele momento eu fiquei muito tensa, mas quando eu escutei ela chorar eu também me emocionei e percebi que estava tudo tranquilo. O choro dela foi um alívio pra gente”, acrescentou.