• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Água de esgoto será usada para acabar com fumaça na Grande Vitória

Geral

Água de esgoto será usada para acabar com fumaça na Grande Vitória

A misteriosa fumaça que tem assustado os moradores da região há alguns dias é oriunda da combustão espontânea da turfa, que é um material orgânico comum em regiões de alagadiço

Fumaça vem do solo que pega fogo devido ao calor Foto: TV Vitória

A água que vem dos esgotos da Grande Vitória pode ser a solução para acabar com o incêndio que está acontecendo no bairro José de Anchieta, na Serra. A misteriosa fumaça que tem assustado os moradores da região há alguns dias é oriunda da combustão espontânea da turfa, que é um material orgânico comum em regiões de alagadiço, como é o caso da área. A combinação da falta de chuva com o calor excessivo faz secar a região, e gerar combustão espontânea, criando uma espécie de fermentação desse material

Segundo o tenente coronel Germano Felippe, do Corpo de Bombeiros do Estado, nesta sexta-feira (20) começaram a ser usadas ferramentas agrícolas, como facão, enxada, rastelo e máquinas como tratores e arados para mexer o solo e resfriá-lo e no final da tarde, a água que vem da estação de tratamento da Cesan está sendo usada para molhar o solo.    

“Essa água vem do esgoto, passa por alguns processo de tratamento, mas não chega ao final do tratamento. Ela não tem risco para os bombeiros e nem para o meio-ambiente e é autorizada pelo Instituto de Meio Ambiente”, afirmou o tenente coronel dos Bombeiros. 

Segundo o militar, a crise hídrica tem dificultado o trabalho de contenção do incêndio. “O ideal seria manter esse solo encharcado o tempo todo, mas a restrição hídrica nos impede. É um terreno difícil, e precisamos virar o solo o tempo todo com máquinas e homens”. O processo é muito lento já que o local está muito quente o que limita o uso das máquinas e o trabalho dos homens do Corpo de Bombeiros.

A área afetada já atinge mais de 700 mil metros quadrados. As Defesas Civis Municipal e Estadual estão mapeando as famílias para prestar auxílio social e orientar para algumas que se necessário saiam de suas casas para residências de parentes ou abrigos públicos. Até o momento ninguém precisou sair de casa.