• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Momentos de terror e mais de 200 homicídios durante greve da PM no Estado

  • COMPARTILHE
Polícia

Momentos de terror e mais de 200 homicídios durante greve da PM no Estado

Foram mais de 200 pessoas mortas enquanto os policiais era impedidos de sair dos batalhões

O DML ficou lotado com a quantidade de mortos durante o mês de fevereiro de 2017. 

Nos mais de 20 dias de greve da Polícia Militar no Espírito Santo, a violência tomou conta não só da Grande Vitória, como também do interior do Estado. Foram 204 pessoas assassinadas durante a paralisação. Um aumento de 68% no número de homicídios no mesmo período, quando comparado o ano anterior, de acordo com a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp).

>> Homicídios, lojas saqueadas e população refém do medo durante mais de 20 dias de greve da PM

“Eu cheguei a ouvir os disparos que mataram ele, mas eu não sabia o que era. Dizem que foi acerto de contas, mas nesse acerto de contas, muita gente inocente morreu, inclusive meu filho. Ele estava sentado debaixo de um pé de manga, ele e um amigo. Os suspeitos chegaram e perguntaram aos dois onde estava o chefe da boca. Eles não sabiam informar e por isso foram executados. Foram aproximadamente seis tiros. Eu consegui contar...”, contou o churrasqueiro Fábio Gomes sobre a morte do filho, ocorrida no dia 5 de fevereiro do ano passado.

As mulheres de policiais fecharam os batalhões.

Um ano depois do crime, o churrasqueiro afirma que a dor não passa e a morte do jovem continua impune. “Eu me sinto lesado por não ter mais o meu filho, por meu neto não ter um pai. E o pior: sem resposta de nada. Eu não sei quem foi, a polícia não sabe quem foi, a imprensa não sabe quem foi, ninguém sabe quem foi. Eu penso que se eu tivesse dinheiro, as autoridades estavam investigando o caso do meu filho, mas como sou pobre, trabalhador, assalariado, tenho que trabalhar em dois empregos para manter a minha família, eu estou esquecido”, desabafou.

O medo tomou conta de grande parte dos capixabas. “Eu olhava para os lados e não via ninguém. Foi realmente um terror, eu passei muito medo”, disse a empresária Márcia Rodrigues Vila. “Fiquei bastante inseguro. Vi roubos... Senti bastante medo devido a falta da polícia nas ruas”, contou o estudante Ítalo Ramos. 

“Eles eram invisíveis, o povo sempre achou que a segurança se fazia sozinha e a gente viu que nós somos dependentes de uma instituição”, destacou a aposentada Maria da Penha Costa.

Vários capixabas presenciaram cenas de destruição durante a falta de policiamento no Estado. “A gente chegou e viu tudo caído, manequim no chão,  vidros estilhaçados, foi uma cena de terror mesmo. Foi difícil ver a loja toda vazia, depenada. Uma ação de 20 segundos que acabou com praticamente um ano. Todos estavam reféns, parecia uma terra sem lei onde cada um resolvia os problemas com o próprio pulso”, destacou o comerciante Rafael Melo de Miranda.

Os policiais ficaram longe das ruas.

No auge da crise de segurança, a cidade de Cachoeiro de Itapemirim foi cenário de dezenas de saques e uma violência nunca antes vista pelos moradores da região. Em poucos minutos, vídeos dos arrombamentos tomaram conta das redes sociais. Em uma galeria, também no centro do município, das oito lojas, sete foram assaltadas no terceiro dia da greve da Polícia Militar. Pelo menos 300 lojas foram saqueadas no Estado em fevereiro do ano passado.

“Nós ficamos uma semana sem sair de casa, as crianças ficaram uma semana sem ir à escola. A cidade ficou traumatizada”, relatou a empresária Kelvia Bersacula. “Foi um pânico muito grande, ninguém podia sair de casa, todo mundo se prendeu”, disse a estudante Maria Eduarda Azarias. 

“O que mais me marcou naquela época foi o fato das pessoas ficarem dentro de casa, impedidas de sairem às ruas por medo”, destacou o mecânico Rubens Salomão.

Veja a reportagem na íntegra: